Ministro viaja para Argentina para fortalecer parceria estratégica

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Viagem programada para a próxima semana será a primeira do chanceler brasileiro em caráter bilateral

Agência Brasil

O ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, viajará na próxima semana à Argentina para se reunir com o chanceler Héctor Timerman e outras autoridades do governo de Cristina Kirchiner. Será a primeira viagem do chanceler brasileiro em caráter bilateral, simbolizando a importância do principal parceiro do Brasil na América do Sul.

Antes de chegar ao Itamaraty, Mauro Vieira foi embaixador do Brasil em Buenos Aires
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
Antes de chegar ao Itamaraty, Mauro Vieira foi embaixador do Brasil em Buenos Aires

Leia mais: "Fuzilamento provoca sombra na relação entre Brasil e Indonésia", diz chanceler

Discrição é característica do novo ministro das Relações Exteriores

“A visita reflete a importância primordial da parceria estratégica entre os dois países”, declarou o Itamaraty por meio de nota. Vieira foi embaixador do Brasil em Buenos Aires entre 2004 e 2010 e assumiu defendendo uma “diplomacia de resultados”, sempre que possível auxiliando na ampliação dos mercados para produtos brasileiros no exterior.

Leia mais: Promotor que investigava Cristina Kirchner na Argentina é encontrado morto

Perícia nega vestígio de pólvora na mão de promotor argentino

Muitos especialistas em relações internacionais defendem que o Brasil deva cultivar entendimentos políticos, comerciais, econômicos e na área de segurança com a Argentina, mas também se desvincular do país vizinho em sua estratégia de inserção internacional. Assim, eles creem que o Brasil teria mais autonomia para estabelecer importantes acordos bilaterais.

O chanceler argentino, com quem Vieira terá encontros de trabalho, enfrenta um período de crise depois que o promotor Alberto Nisman (encontrado morto no banheiro de seu apartamento no dia 18 de janeiro) acusou o chanceler e a presidenta Cristina de terem negociado com o Irã um plano para encobrir os responsáveis pelo ataque terrorista de 1994, contra o Centro Comunitário Judaico Amia, em Buenos Aires, que matou 85 pessoas e deixou centenas feridas.

Leia tudo sobre: Mauro VieiradiplomaciaBrasilArgentina

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas