A costureira de 42 anos se recusou a ceder lugar a um homem em ônibus e acabou se tornando símbolo da resistência no país

BBC

A Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos liberou o acesso a sua coleção de documentos pessoais e fotos da mulher que se transformou em um símbolo da luta pelos direitos civis no país, Rosa Parks.

Vídeo:  Ativista Rosa Parks ganha estátua nos EUA

Mais:  O espinhoso caminho de um museu sobre a cultura negra

A recusa de Parks, uma mulher negra, em ceder a um homem branco o assento que ocupava em um ônibus no estado do Alabama, no dia 1º de dezembro de 1955, mudaria a história americana, ao desencadear um boicote e pressionar por mudanças na lei do país.

A costureira de 42 anos e integrante da Associação Nacional para o Progresso de Pessoas de Cor (NAACP, na sigla em inglês) viajava no ônibus quando um homem branco exigiu o lugar. A atitude fez de Parks um ícone da resistência à segregação racial nos EUA.

"Sabemos que Parks ficaria orgulhosa com o fato de a Biblioteca do Congresso manter seu legado com a estima que merece e tornar disponível para o mundo aprender e conservar", disse Elaine Eason-Steele, uma das fundadoras do Instituto Rosa e Raymond Parks para Desenvolvimento.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.