Jordânia afirma ter executado jihadista iraquiana condenada

Por AP | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

A execução foi a vingança pela morte do piloto Moaz al-Kasaesbeh, queimado vivo nesta terça-feira. Sajida al-Rishawi, estava condenada desde setembro de 2005

AP

 

A iraquiana Sajida Mubarak Atrous al-Rishawi, de cerca de 40 anos, está presa na Jordânia desde 2005
Reprodução

A terrorista iraquiana Sajida al-Rishawi foi executada por enforcamento na madrugada desta quarta-feira (horário de Brasília). De acordo com Mohammed al-Momani, porta-voz do governo da Jordânia, o fato ocorreu  horas depois de militantes do Estado Islâmico terem divulgado um vídeo onde um piloto jordaniano capturado foi queimado vivo em uma gaiola. A Jordânia havia prometido uma resposta rápida e letal.

Além da terrorista, o porta-voz do governo afirmou que outro prisioneiro, Ziad al-Karbouly. também foi executado por enforcamento.

Leia mais: Após assassinato de piloto, Jordânia afirma que executará terrorista iraquiana

Kayla Mueller, refém norte-americana do Estado Islâmico, morreu na terça-feira (10 de fevereiro); segundo o grupo terrorista ela teria sido vítima de um bombardeio da Jordânia na Síria . Foto: APEstado Islâmico divulga vídeo onde suposto piloto jordaniano é queimado vivo em gaiola, no dia 3 de fevereiro. Foto: Reprodução/TwitterO jornalista japonês Kenji Goto foi morto pelos extremistas do Estado Islâmico no dia 30 de janeiro. Ele havia viajado para a Síria visando libertar o refém Yukawa. Foto: APImagem obtida por meio de vídeo do Estado Islâmico mostra o japonês Haruna Yukawa (à dir.), que foi decapitado em 24 de janeiro. Ele foi à Síria por ser fascinado por guerras. Foto: APO americano Peter Kassig foi identificado como o homem decapitado pelo Estado Islâmico em 16 de novembro de 2014. Ele era voluntário na Síria. Foto: ReutersNo dia 3 e outubro de 2014, o voluntário inglês Alan Henning foi decapitado pelos terroristas do Estado Islâmico. Foto: Reprodução/YoutubeVídeo mostra decapitação do refém britânico David Haines, que era voluntário na Síria e foi morto em 13 de setembro de 2014. Foto: ReutersImagem feita a partir de vídeo postado na internet pelo Estado Islâmico mostra jornalista americano Steven J. Sotloff antes de ser decapitado, no dia 2 de setembro de 2014. Foto: APInsurgentes do grupo jihadista Estado Islâmico divulgaram a decapitação do jornalista americano James Foley em 19 de agosto de 2014. Foto: Reprodução/Youtube



A morte do militar Moaz al-Kasaesbeh foi divulgada pelo grupo que pretende criar um califado em uma vasta área que abrange partes dos territórios da Síria e do Iraque em vídeo no qual ele aparece sendo queimado vivo dentro de uma jaula. As imagens do assassinato, ocorrido dias depois da decapitação do jornalista japonês Kenji Goto, no sábado (30), levaram a reações furiosas de oficiais do Exército.

Leia tudo sobre: estado islâmicoterroristamoazsajida

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas