Após matarem reféns japoneses, jihadistas queimaram piloto jordaniano vivo; Jordânia ainda estava negociando com grupo

Terroristas do Estado Islâmico divulgaram suposto vídeo do piloto jordaniano Muath al-Kasaesbeh sendo queimado vivo na terça-feira (3).

Dia 1:  Japão condena Estado Islâmico por morte de jornalista

Antes disso, a Jordânia havia declarado que ainda estava negociando com os terroristas a libertação do piloto em troca da libertação de Sajida al-Rishawi, condenada à morte por participar de ataque terrorista a Amã em 2005.

Formado em abril de 2013 a partir da Al-Qaeda do Iraque, o grupo jihadista Estado Islâmico age no Iraque e na Síria. Ainda não está claro o tamanho exato do grupo, mas especialistas falam em milhares de membros, incluindo estrangeiros. Correspondentes afirmam que o grupo pode estar superando a Al-Qaeda e já é considerado o mais perigoso movimento jihadista do mundo. 

Relembre outros reféns decapitados na galeria de fotos:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.