Brasil pede hospitalização de brasileiro condenado à morte na Indonésia

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Rodrigo Gularte foi condenado à pena capital depois de ter sido detido com 19 quilos de cocaína

Agência Brasil

A Embaixada do Brasil em Jacarta pediu hoje (3) para que o brasileiro Rodrigo Gularte, que aguarda execução no corredor da morte na Indonésia, seja hospitalizado por ter sido diagnosticado com esquizofrenia.

Indonésia deve executar outro brasileiro por tráfico de drogas em fevereiro

Cenário: Mesmo com pena de morte, uso de drogas na Indonésia deve crescer 45%

Rodrigo Gularte foi condenado à morte em 2005 por chegar à Indonésia com seis quilos de cocaína
Reprodução/Facebook
Rodrigo Gularte foi condenado à morte em 2005 por chegar à Indonésia com seis quilos de cocaína

Fontes diplomáticas disseram à agência de notícias EFE que pediram à Procuradoria da indonésia para que Gularte, condenado à pena capital depois de ter sido detido com 19 quilos de cocaína, dê entrada em um hospital psiquiátrico, o que evitaria a sua execução.

“Está mentalmente doente, diagnosticaram-lhe esquizofrenia. Segundo a lei indonésia, uma pessoa doente não pode ser executada”, disse um funcionário da embaixada brasileira, que não quis ser identificado.

Segundo a representação diplomática brasileira, Gularte está sendo “bem tratado” na prisão e conta com ajuda diplomática, bem como de familiares que se encontram na Indonésia.

O diário The Jakarta Post informou que 11 condenados, incluindo Gularte e outros seis estrangeiros, deverão ser fuzilados na ilha de Nusakambangan, na província de Java Central, no final de fevereiro. A embaixada brasileira indicou não ter sido informada oficialmente.

No dia 18 de janeiro, a presidenta Dilma Rousseff chamou o embaixador do país na Indonésia, depois de ter apelado, sem êxito, ao presidente indonésio, Joko Widodo, para que suspendesse a execução de um outro preso brasileiro, Marco Archer Cardoso Moreira.

O embaixador brasileiro ainda não regressou a Jacarta e Dilma afirmou que o fuzilamento de Gularte afetará as relações diplomáticas entre os dois países.

A Indonésia tem 133 presos no corredor da morte, 57 dos quais por tráfico de drogas, dois por terrorismo e 74 por outros crimes.

Leia tudo sobre: Indonésiaexecuçãomortebrasileiroexecucoes na indonesia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas