Acusado de cafetinagem, ex-diretor do FMI começa a ser julgado na França

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Advogados de defesa de Strauss-Kahn afirmam que ele era adepto das orgias, mas não sabia que se tratava de prostitutas

Agência Brasil

O ex-diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, que chegou a ser cotado para a presidência da França, em 2011, compareceu nesta segunda-feira (2), em Lille, no Norte da França, ao primeiro dia de seu julgamento. Ele é acusado, junto com outras 13 pessoas, de "proxenetismo com agravante em grupo organizado". Proxenetismo é o ato de obter benefícios econômicos da prostituição de outras pessoas. O proxeneta é popularmente conhecido, no Brasil, como cafetão.

Ex-diretor do FMI, Strauss-Kahn foi cotado para disputar a presidência da França
AP Photo
Ex-diretor do FMI, Strauss-Kahn foi cotado para disputar a presidência da França

Strauss-Kahn chegou ao tribunal no início da tarde, acompanhado de seus três advogados de defesa. Ele deve ser ouvido na próxima semana, e a previsão é que o julgamento se estenda por todo o mês.

O ex-diretor do FMI é acusado de fazer parte de uma rede de prostituição montada por um grupo de amigos. Entre os réus estão empresários, um advogado, um policial e o dono de uma boate de sexo na Bélgica. Eles teriam participado de festas com prostitutas aliciadas mediante pagamento.

Leia mais:
Camareira que acusa Strauss-Kahn de estupro admite ter mentido
Strauss-Kahn, presidenciavel frances sob ameaca
Veja as principais noticias sobre o escandalo sexual no FMI

Os advogados de defesa de Strauss-Kahn afirmam que ele era adepto das orgias sexuais, mas não sabia que se tratava de prostitutas. O juiz que instruiu o processo concluiu que não havia elementos suficientes para indiciar o acusado, mas a procuradoria decidiu avançar com o julgamento. Se houver condenação, as penas podem chegar a dez anos de prisão e multas equivalentes a R$ 4,5 milhões.

David Lepidi, advogado do Grupo de Ação contra o Proxenetismo, organização não governamental que luta contra a exploração de prostitutas, acha que o julgamento é justo. “Não somos uma associação contra Dominique Strauss-Kahn, lutamos contra todas as formas de exploração da prostituição. Se, ao final dos debates, os elementos mostrarem que há razões para uma condenação, então a justiça será feita”, declarou.

O caso ficou conhecido como o caso Carlton, em referência ao Hotel Carlton, em Lille, que fez parte das investigações policiais em 2011, quando a rede de prostituição foi descoberta. Antes disso, Strauss-Kahn foi detido nos Estados Unidos por suspeita de agredir sexualmente uma empregada de um hotel em Nova York.

Leia tudo sobre: fmionu

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas