Pena de morte: Número de execuções nos EUA cai 64% em 15 anos

Por Amanda Campos - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Em 1999 houve 98 execuções enquanto no ano passado foram 35; falhas jurídicas têm diminuído apelo da pena à população

Em 2014, os EUA realizaram 35 execuções de presos, uma queda de 64% em relação ao ano de 1999, quando o país executou 98 condenados, de acordo com o anuário divulgado pela Death Penalty Information Center (DPIC).   

Nesse período, o número de condenações ao corredor da morte também caiu: em 1996, 315 pessoas receberam o veredicto da pena capital; no ano passado, o número caiu para 79. Foi o quarto ano seguido em que houve menos de 100 sentenças de morte emitidas nos EUA.

2014: Execução é interrompida nos EUA após veia se romper

EUA realizaram 35 execuções em 2014, menor número registrado desde 1974
Reprodução/Youtube
EUA realizaram 35 execuções em 2014, menor número registrado desde 1974


Março: Imigrante cubano é executado por estupro e assassinato de menino nos EUA

Apesar de 32 dos 50 Estados que compõem os EUA ainda manterem em suas legislações a condenação à pena de morte, esse número tem caído ao longo dos anos. Desde 1996, sete Estados aboliram a prática. Problemas envolvendo a eficácia das injeções letais e a não diminuição da criminalidade têm feito com que uma parcela crescente da população se oponha a essas sentenças.

"Vários estudos mostram que não há relação entre a existência da pena de morte e a diminuição de índices de criminalidade. A aplicação da pena de morte é uma medida para satisfazer anseios da população, e não para política de segurança pública", afirma Geraldo Zahran, professor do Departamento de Relações Internacionais da PUC-SP e coordenador do Observatório Político dos EUA (OPEU).

2012: Execução de preso conhecido como 'príncipe de Deus' é adiada nos EUA

Além disso, o diretor-executivo do Death Penalty Information Center, Richard Dieter, em entrevista ao site da Al Jazeera America, disse que a queda nas sentenças também é resultado de mudanças que começaram no início de 2000, quando testes de DNA revelaram falhas do sistema judiciário e livraram inocentes da morte. Em 2014, sete ex-condenados foram libertados do corredor da morte no país.

"Na medida em que os problemas com a pena de morte foram expostos, especialmente com condenações injustas, os jurados se tornaram mais hesitantes em dar a pena de morte, e os promotores foram mais relutantes em buscá-la", disse ele ao site. "Todo o sistema tem sido abrandado por causa desses problemas."

Hispânicos e negros

Apesar da queda no número de execuções e condenações à pena de morte, os índices seguem refletindo os problemas envolvendo questões raciais do país. Em 2014, por exemplo, os Estados de Missouri, Texas e Flórida concentraram 80% dos casos. "A questão racial envolve todo o sistema da execução porque um terço da população do Texas, por exemplo, é constituído por hispânicos e 12% deles são afro-americanos. Creio que esta proporção não se repita em qualquer outro Estado norte-americano", pondera Alexandre Hecker, professor de história contemporânea da Universidade Mackenzie.

Irã: Condenado à morte é salvo no último minuto pela mãe de sua vítima

Pena de morte por tradição

Para Hecker, o fato de nos EUA cada um dos Estados ter autonomia para construir e alterar sua própria legislação faz com que seja difícil vislumbrar o término da pena de morte.

"Não tem uma resposta única, direta e objetiva sobre porque os EUA mantêm as execuções. Muitos acham que a democracia americana é perfeita, mas não é. O país luta há mais de 50 anos contra a segregação racial e ainda hoje os negros são mortos por brancos unicamente por causa do preconceito racial. Que espécie de democracia tem racismo?", questiona.

Segredo de Estado na China, o número de executados não é divulgado, mas estimativa da Anistia Internacional fala em 778 mortes em 2013. Foto: Reprodução/YoutubeO Irã realizou, em 2013, ao menos 369 execuções. O número de condenados a morte naquele ano ultrapassou 70. Foto: Reprodução/YoutubeO Iraque executou 169 prisioneiros em 2013. Mas o número de condenados chegou a 81 somente naquele ano. Foto: Reprodução/YoutubeForam executados na Arábia Saudita aproximadamente 79 pessoas em 2013, de acordo com a Anistia Internacional. Foto: Reprodução/YoutubeEm 2013, os EUA realizaram 39 execuções. O país  é o único das Américas a realizar execuções. Foto: Reprodução/YoutubeNo Iêmen houve 28 execuções em 2012, ano em que se registrou sete novas condenações. Foto: Reprodução/YoutubeO Sudão mandou realizar 19 execuções em 2012, ano em que 199 foram condenados à morte. Na foto, tornozelos inchados de mulher no corredor da morte. Foto: Reprodução/YoutubeHouve um número não divulgado de condenações à morte no Afeganistão em 2012. Imagem mostra 'tribunal' local atirando em mulher, morta por adultério. Foto: Reprodução/YoutubeO Japão teve sete execuções oficiais em 2012. O número de condenados à morte naquele ano foi três. Foto: Reprodução/YoutubeA Coreia do Norte executou oficialmente ao menos seis em 2012. Mas não falou de novos condenados. Foto: Reprodução/Youtube

Japão: Condenado está há 45 anos no corredor da morte

Atualmente, os EUA são o quinto país que mais executa no mundo. Os quatro primeiros da lista são nações não democráticas e com governos fundamentalistas: China, Irã, Iraque e Arábia Saudita.

Execuções pelo mundo

Em 2013, a Anistia Internacional informou que foram realizadas ao menos 778 execuções em 22 países, 96 a mais do que em 2012. Quem lidera a lista é a China, que apesar de considerar esse número segredo de Estado, executou milhares de condenados, como estima a entidade.

O Irã vem logo depois, com 369 execuções, seguido pelo Iraque, com 169, e a Arábia Saudita, com ao menos 79. Outros países que registraram mais de dez execuções em 2013 foram o Sudão e o Iêmen.

A Anistia Internacional mostra também que pelo menos 1.925 pessoas foram condenadas à morte em 57 países em 2013. Existem ainda 23.392 presos no corredor da morte no mundo todo. Os métodos de execução incluem decapitação, enforcamento e injeção letal.

2010: Preso será fuzilado pela 1ª vez em 14 anos nos EUA

Segundo Rafael Franzini, representante no Brasil do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (Unodc), cada país é livre para determinar crimes e penas correlatas, mas há um grande movimento para colocar fim a esse tipo de sentença. 

"Existe uma crescente opinião de que a pena de morte não condiz com os direitos humanos, uma vez que fere a dignidade humana. Em 2014, um pronunciamento do Secretário-Geral da ONU ressaltou esse ponto, pedindo a adesão de mais países ao Segundo Protocolo Adicional [que pede o fim das execuções no mundo]."

Estados norte-americanos têm diminuído o número de penas capitais ao longo dos anos. Veja alguns deles a seguir:

31 de janeiro de 2000 - Governador de Illinois, George Ryan, declara moratória sobre as execuções e o Estado se torna o primeiro a bloquear execuções no país desde 1976;

Junho de 2004 - Lei de pena de morte é declarada inconstitucional na mais alta corte de Nova York;

15 de dezembro de 2006 - O governador da Flórida Jeb Bush suspende a pena de morte após a execução do prisioneiro Angel Diaz. Diaz teve que ser submetido a duas injeções e demorou mais de 30 minutos para morrer;

17 de dezembro de 2007 - O governador Jon Corzine assina lei que bane a pena de morte de Nova Jersey. Oito homens acabaram sentenciados a prisão perpétua ao invés da morte;

18 de março de 2009 - O governador do Novo México Bill Richardson assina legislação que proíbe a pena de morte no estado. Sua ação não é retroativa e não salvará Robert Fry, que matou uma mulher em 2000, e Tim Allen, que matou uma jovem de 17 anos em 1994;

9 de março de 2011 - O governador de Illinois Pat Quinn anuncia a assinatura da legislação que elimina a pena de morte em seu estado mais de dez anos depois de o Estado suspender as execuções;

22 de junho de 2012 - A Suprema Corte Arkansas derruba lei de execução do Estado e chama de inconstitucional o uso da injeção letal no Estado;

2 de maio de 2013 - O governador de Maryland assina projeto de lei que revoga a pena de morte. A legislação entra em vigor em 1º de outubro daquele ano;

31 de dezembro de 2014 - A saída do governador de Maryland Martin O'Malley leva os últimos quatro detentos do Estado para fora do corredor da morte, comutando suas penas em prisão perpétua sem liberdade condicional.

Leia tudo sobre: euaexecucoescorredor da morte

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas