Vitória da extrema esquerda amplia incertezas sobre futuro da Grécia

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo pesquisas de boca de urna, o Syriza teria conseguido 36% dos votos contra 26% do atual primeiro-ministro Samaras

BBC

Estimativas oficiais indicam uma vitória clara do partido de extrema esquerda Syriza nas eleições gregas deste domingo.

Ainda não há certeza, porém, sobre se o partido tem votos suficientes para governar o país sozinho ou se precisará fazer uma coalizão com outros grupos políticos.

Segundo pesquisas de boca de urna, o Syriza teria conseguido entre 36% e 38% dos votos e o Nova Democracia, partido do atual primeiro-ministro Antonis Samaras, entre 26% e 28%.

+ Na Grécia, primeiro-ministro admite derrota 

Para ter maioria absoluta, o Syriza precisa conquistar 151 cadeiras no parlamento e, segundo as pesquisas, deve ficar com algo entre 148 e 154 assentos.

Alexis Tsipras, do partido de esquerda radical grego Syriza
EPA / Reuters
Alexis Tsipras, do partido de esquerda radical grego Syriza

O terceiro lugar na votação é disputado pelo partido de extrema direita Aurora Dourada e o centrista O Rio.

Samaras teria admitido a derrota e telefonado para o líder do Syriza, Alexis Tsipras, para parabenizá-lo.

"Hoje os gregos fizeram história", disse Tsipras em um discurso para simpatizantes.

Segundo o líder do Syriza, os eleitores teriam dado ao partido "um mandato claro e poderoso".

"A troika é coisa do passado para os gregos", disse, referindo-se a União Europeia (UE), Fundo Monetário Internacional (FMI) e Banco Central Europeu (BCE) - principais credores internacionais da Grécia, que têm imposto ao país medidas como cortes de gastos públicos e aumentos de impostos.

Incertezas

Esta será a primeira vez que um partido antiausteridade toma o poder na zona do euro e há muita incerteza sobre como ficará a relação entre a Grécia e o resto da União Europeia.

Especula-se até sobre um possível abandono do euro pelos gregos.

Alguns analistas também acreditam que, com a vitória do Syriza, outros partidos de extrema esquerda europeus podem ganhar fôlego - como o Podemos, na Espanha.

"Está claro que temos uma vitória histórica, imbuída de uma mensagem que interessa não só ao povo grego, mas a todos os europeus", disse Panos Skourletis, porta-voz do partido, a emissoras de TV gregas.

Entre as propostas de Tsipras estão uma renegociação da dívida externa da Grécia, que atualmente corresponde a 175% do seu Produto Interno Bruto (PIB), e a reversão das medidas de austeridade adotadas pelo país como parte dos acordos com UE, BCE e FMI.

Eleitores da extrema esquerda grega comemoram a vitória de Alexis Tsipras
Associated Press
Eleitores da extrema esquerda grega comemoram a vitória de Alexis Tsipras

Nos últimos anos, a economia grega encolheu 25%, o desemprego chegou a 26% (sendo de 50% para os jovens) e milhares de gregos caíram para abaixo da linha da pobreza.

O descontentamento com esse cenário foi o que impulsionou o apoio ao Syriza.


Leia tudo sobre: gréciaunião europeia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas