"Japão não vai sucumbir ao terrorismo", diz primeiro-ministro

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Obama confirma morte ao condenar assassinato; Governo japonês ainda verifica autenticidade das imagens

Visivelmente nervoso, o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, disse em coletiva que o "Japão não vai sucumbir ao terrorismo" e que o governo continua trabalhando pela libertação dos dois reféns em poder do grupo jihadista Estado Islâmico.

A afirmação foi feita horas depois da divulgação de um vídeo em que o refém Kenji Goto aparece mostrando a imagem de Haruna Yukawa decapitado. No vídeo, o grupo pede ainda a troca de Goto por outro prisioneiro. O governo japonês ainda tenta verificar a autenticidade das imagens.

Por outro lado, em nota, o presidente dos EUA Barack Obama confirmou a morte e condenou o ato. Segundo ele, foi um "assassinato brutal". Não há detalhes de como os norte-americanos obtiveram as informações.

Estado Islâmico ameaça matar dois reféns japoneses
Reprodução
Estado Islâmico ameaça matar dois reféns japoneses

Na última quinta-feira, o grupo pertencente ao Estado Islâmico ameaçou matar os dois reféns caso não recebesse R$ 200 milhões por seu resgate em 72 horas.

O vídeo que mostra a decapitação de Yukawa teria sido enviado à esposa de Goto por e-mail, segundo informações da Agência Kyodo News.

O ministro da Defesa, Gen Nakatani, disse que autoridades estão tentando verificar a autenticidade do vídeo e da foto que aparece nas imagens.

O representante do Conselho de Segurança Naciona da Casa Branca, Patrick Ventrell, afirmou que o serviço de inteligência norte-americano está trabalhando na verificação.

Abe disse que o governo japonês não vai sucumbir ao terrorismo e continuará a cooperar com comunidade internacional na luta contra o terrorismo. Ele afirmou ainda que o Japão manterá todos os esforços para a libertação dos dois reféns.

* Com informações da Associated Press

Conheça os dez grupos terroristas mais ricos do mundo

O Estado Islâmico é a organização terrorista mais rica do mundo. Com recursos vindos de crimes e do petróleo, os militantes administram até US$ 2 bilhões anuais. Foto: APAtuando na Faixa de Gaza, o Hamas - considerado terrorista pelo FBI -  tem renda anual de ao menos US$ 1 bilhão. Foto: Reprodução/YoutubeMilitantes das FARC, Forças Armadas Revolucionária da Colômbia, atua no país há mais de 50 anos com renda anual de até US$ 600 milhões. Foto: Reprodução/YoutubeO Hezbollah, que significa 'Partido de Deus', surgiu após invasão e ocupação do Líbano em 1982 por Israel. Grupo tem renda anual de US$ 500 milhões. Foto: Reprodução/YoutubeO movimento Taleban governou o Afeganistão de 1996 a 2001 e hoje tem renda estimada em US$ 400 milhões vindos principalmente do tráfico de drogas. Foto: Reprodução/YoutubeUma das organizações terroristas mais letais do mundo, a Al-Qaeda atua com cerca de US$ 150 milhões anuais. Foto: Wikemedia CommonsLashkar-e-Taiba, ou 'Exército dos justos', é um grupo radical islâmico paquistanês que atua no sudeste da Ásia com renda de até US$ 100 milhões ao ano. Foto: Reprodução/YoutubeNa Somália, a Al-Shabab é a maior organização militante do país e foi fundada em 2006. Hoje atua com cerca de US$ 70 milhões ao ano. Foto: APO IRA Real, facção radical do IRA, foi criado por ativistas que se opõem ao acordo de paz de 1998 e tem renda anual de até US$ 50 milhões. Foto: Reprodução/YoutubeBoko Haram, que significa 'educação ocidental é pecado', atua na Nigéria com anuais US$ 52 milhões. Foto: Reprodução/Youtube


Leia tudo sobre: estado islamicosíriajapão

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas