Ataque na Ucrânia deixa ao menos 29 mortos durante ofensiva rebelde

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Região de Mariupol, atacada neste sábado, é estratégica por ficar entre o território russo e a área da Crimeia, pró-Rússia

Um ataque de artilharia contra a cidade de Mariupol, na Ucrânia, deixou ao menos 29 mortos neste sábado (24), segundo autoridades locais. O ataque atingiu um mercado, duas escolas, casas e lojas na cidade no leste do país. O principal líder rebelde ucraniano anunciou o início de uma ofensiva na região estratégica.

O ataque aconteceu um dia após os rebeldes terem rejeitado um acordo de paz e afirmado que continuariam uma ofensiva contra o governo de Kiev para aumentar seu território. De acordo com as Nações Unicadas, o conflito entre rebeldes e o governo ucraniano já soma cerca de 5.100 vítimas desde abril de 2014.

Ataque de artilharia contra a cidade de Mariupol, na Ucrânia, deixou ao menos 29 mortos. Foto: Associated PressAtaque de artilharia na cidade de Mariupol, na Ucrânia, deixou ao menos 29 mortos neste 24 de janeiro. Foto: Associated PressOfensiva rebelde deixa ao menos 29 mortos na Ucrânia neste 24 de janeiro. Foto: Associated Press

Mariupol é a maior cidade entre a Rússia a península da Crimeia, anexada à Rússia. Ataques na região aumentam o temos de que forças separatistas estejam tentando criar uma ligação territorial entre a Rússia e Crimeia.

As forças rebeldes mantêm áreas tomadas a dez quilômetros da fronteira da cidade de Mariupol.

Entenda
+ Como um tuíte virou uma guerra com milhares de mortos na Ucrânia
Conselho da Osce busca solução diplomática para conflito na Ucrânia

"A área atacada é grande", afirmou o prefeito Yuriy Khotlubei. "O bombardeio foi realizado por militantes. Isto é claramente mais uma agressão russa que tem causado perdas terríveis para os moradores da parte oriental da nossa cidade."

O Conselho Municipal de Mariupol pediu que os moradores não entrem em pânico e ignorem os rumores de que as forças armadas ucranianas planejam se retirar.

Leia tudo sobre: ucrâniarússia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas