Petrobras teme ação do Boko Haram e reforça segurança na Nigéria

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

O terror imposto por integrantes do Boko Haram obrigou 900 mil nigerianos a deixarem suas casas

Agência Brasil

Preocupada com a crescente violência do grupo radical islâmico Boko Haram na Nigéria, a Petrobras e suas sócias na operação nigeriana adotaram medidas para garantir a segurança e a integridade de seus funcionários e instalações.

Localizada na África Ocidental, com cerca de 180 milhões de habitantes, a Nigéria é um dos dez maiores produtores mundiais de petróleo.

Entre as ações, a que mais chama a atenção é a restrição aos deslocamentos dos empregados em locais públicos. Desde a última quinta-feira (15), a Agência Brasil tenta obter da Petrobras uma explicação sobre como a proibição vem sendo aplicada, mas ainda não teve respostas.

Apesar de só explorarem petróleo em alto mar (offshore), as multinacionais também reforçaram o esquema de segurança nos escritórios das duas empresas vinculadas à Petrobras Oil & Gas (Petróleo Brasileiro Nigéria e a Brasoil Oil Services). Oos escritórios ficam em Lagos, capital nigeriana, longe da região Nordeste, onde o Boko Haram já domina uma área maior que a de alguns países europeus.

Boko Haram sequestra 50 crianças durante ataque em vila de Camarões

Cerca de 900 mil nigerianos já abandonaram suas casas para escapar do Boko Haram

Martha Mark, mãe de Monica Mark, uma das sequestradas em escola nigeriana, chora ao mostrar foto da jovem na casa da família em Chibok, Nigéria (19/05). Foto: APApós possível divisão do grupo de reféns analistas dizem que resgates pode levar anos (8/05). Foto: AFPEstudantes protestam do lado de fora do consulado nigeriano em Nova York, EUA, pelas meninas sequestradas pelo Boko Haram na Nigéria (28/05). Foto: ReutersAluna de uma escola sul-africana, com tradicionais manchas de tinta no rosto, participa de protesto silencioso pelas jovens raptadas na Nigéria (14/05). Foto: APMulher grita durante manifestação incitando o Governo a agilizar o resgate das meninas sequestradas, em Abuja, Nigéria (11/05). Foto: APAtivistas participam da campanha 'Tragam nossas meninas de volta durante vigília realizada no Dia das Mães em Los Angeles, EUA (11/05). Foto: ReutersQuatro estudantes que conseguiram escapar do sequestro feito pelo grupo Boko Haram em escola de Chibok, Nigeria (2/05). Foto: APAbubakar Shekau, suposto líder do grupo extremista Boko Haram, fala sobre o sequestro de estudantes no nordeste na Nigéria (5/05). Foto: APUma mãe não identificada chora durante manifestação com outros pais cujas filhas foram sequestradas em escola de Chibok, Nigéria (29/04). Foto: APManifestante segura cartaz contra os raptos de garotas feito pelo grupo islâmico Boko Haram (5/05). Foto: APManifestantes protestam contra a demora do governo da Nigéria em encontrar as mais de 200 estudantes raptadas de escola em Chibok. Foto: APMulher participa de um protesto exigindo a libertação de meninas da escola secundária que foram raptadas da aldeia de Chibok, Nigéria. Foto: ReutersMulher segura cartaz durante manifestação sobre o sequestro das meninas de uma escola em Chibok, Nigéria (5/05). Foto: Reuters

O acesso de visitantes aos escritórios também foi limitado ao “absolutamente essencial”. A Petrobras afirmou estar permanentemente monitorando a situação para, caso seja necessário, adotar outras medidas.

A Agência Brasil também entrou em contato com a construtora Andrade Gutierrez, mas ainda não recebeu respostas sobre medidas de segurança adotadas pela empresa. Responsável por importantes obras de infraestrutura na Nigéria, a construtora mantém escritório em Lagos.

Presidente da Confederação Sindical Internacional (CSI), o brasileiro João Antonio Felício reconheceu a importância das empresas que atuam na Nigéria se precaverem. Felício também condenou os atentados praticados por grupos extremistas como o Boko Haram.

“Há um temor de que empresas de outros países sejam atacadas. Cabe ao governo da Nigéria garantir direitos ao trabalho, à livre circulação e a segurança dos nigerianos e estrangeiros que vivem no país. A CSI rejeita atos violentos em qualquer país e repudia a ação de grupos radicais que desrespeitam a democracia, com ações que não contam com respaldo de ninguém mais que seus próprios membros”, assinalou Felício.

O terror imposto por integrantes do Boko Haram obrigou 900 mil nigerianos a deixarem suas casas. Eles migraram para outras localidades em busca de proteção, comida e medicamentos. Milhares de pessoas estão em acampamentos administrados pelo governo nigeriano. A ameaça extremista também já rompeu as fronteiras nigerianas. Ontem (18), dezenas de moradores de duas aldeias de Camarões foram sequestradas por integrantes do Boko Haram.

Para tentar deter o avanço do grupo, o governo do Chade autorizou o envio de tropas militares para combater os extremistas em território camaronês.

Leia tudo sobre: boko haramPetrobrasnigériasegurança

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas