Após fuzilamento, embaixador do Brasil na Indonésia é chamado para consulta

Por Marcel Frota - iG Brasília | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Dilma lamentou a morte de Marco Archer Cardoso Moreira e disse que esse fato 'afeta gravemente as relações com o país'

A presidente Dilma Rousseff se pronunciou há pouco por meio de nota a respeito da execução do brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, 53, na Indonésia neste sábado (17). 

O brasileiro foi preso em 2003 ao entrar no aeroporto de Jacarta com 13,4 quilos de cocaína
Reprodução/Internet
O brasileiro foi preso em 2003 ao entrar no aeroporto de Jacarta com 13,4 quilos de cocaína


Antes: Governo pede adiamento da execução de brasileiro na Indonésia

Moreira foi condenado a morte em 2004 depois de tentar entrar na Indonésia com 13,4 quilos de cocaína escondidos em uma asa-delta. Ele foi executado as 15h31 (horário de Brasília) deste sábado por um pelotão de fuzilamento composto por 12 atiradores.

No documento, além de manifestar indignação, a presidente informou que o Embaixador do Brasil no país asiático, Paulo Alberto da Silveira Soares, foi chamado a Brasília "para consultas", um sinal de que as relações entre os dois países podem sofrer esfriamento. Na própria nota, Dilma diz que "o recurso à pena de morte, que a sociedade mundial crescentemente condena, afeta gravemente as relações entre nossos países".

Dilma chegou a telefonar para o presidente da Indonésia, Joko Widodo, para transmitir apelo pessoal em favor dos Moreira. O pedido de clemância, entratanto, foi negado pelo governo local, dando sinal verde para a execução.

Último contato: Família visita brasileiro que será executado na Indonésia

"A Presidenta Dilma Rousseff tomou conhecimento – consternada e indignada – da execução do brasileiro Marco Archer ocorrida hoje às 15:31 horário de Brasília na Indonésia. Sem desconhecer a gravidade dos crimes que levaram à condenação de Archer e respeitando a soberania e o sistema jurídico indonésio, a Presidenta dirigiu pessoalmente, na sexta-feira última, apelo humanitário ao seu homólogo Joko Widodo, para que fosse concedida clemência ao réu, como prevê a legislação daquele país", diz a nota.

Rodrigo Gularte foi condenado à morte em 2005 por chegar à Indonésia com seis quilos de cocaína. Foto: Reprodução/FacebookSegundo imprensa local, execução de Gularte deveria ocorrer ainda neste mês. Foto: AFPBrasileiro condenado a morte na Indonésia por tráfico de drogas foi executado no dia 17 de janeiro. Foto: Reprodução/YoutubeExecução foi feita mesmo após pedidos de cancelamento feitos pelo governo brasileiro. Foto: ReproduçãoMarco Archer Cardoso Moreira, 53, foi executado na madrugada de domingo (17) no horário indonésio – por volta das 15h no Brasil. Foto: Reprodução/FacebookMoreira era solteiro, não tinha filhos e seus pais haviam morrido; uma tia foi visitá-lo na Indonésia antes da execução. Foto: Reprodução/FacebookO brasileiro foi preso em 2003 ao entrar no aeroporto de Jacarta com 13,4 quilos de cocaína. Foto: Reprodução/InternetBalsa foi usada para transportar brasileiro para local da execução. Foto: AP

Expectativa: "Milagre ainda pode acontecer", diz Amigo de brasileiro condenado à morte 

"A Presidenta Dilma lamenta profundamente que esse derradeiro pedido, que se seguiu a tantos outros feitos nos últimos anos, não tenha encontrado acolhida por parte do Chefe de Estado da Indonésia, tanto no contato telefônico como na carta enviada, posteriormente, por Widodo", afirma o documento.

"Nesta hora, a Presidenta Dilma dirige uma palavra de pesar e conforto à família enlutada. O Embaixador do Brasil em Jacarta está sendo chamado a Brasília para consultas", explica a presidente.

Leia tudo sobre: indonesiabrasildilmafuzilamentomoreiraexecucoes na indonesia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas