Centenas de pessoas participaram do último adeus a Tignous, em Montreuil, nas proximidades de Paris; será enterrado em Père-Lachaise em um caixão de madeira coberto de desenhos

Cinco pessoas, entre elas dois cartunistas, mortas no atentado contra a redação da publicação satírica francesa "Charlie Hebdo" na semana passada, que deixou 12 vítimas, estão sendo enterradas nesta quinta-feira, dia 15, apontou a imprensa local.

Caixão do cartunista Bernard Verlhac, conhecido como Tignous, decorado por amigos e colegas
AP
Caixão do cartunista Bernard Verlhac, conhecido como Tignous, decorado por amigos e colegas

Centenas de pessoas participaram do último adeus a Tignous, em Montreuil, nas proximidades de Paris. Ele será enterrado em Père-Lachaise em um caixão de madeira clara coberto de desenhos e recados de amigos.

Georges Wolinski, um dos principais chargistas franceses, que inspirou brasileiros como Ziraldo, Jaguar e Henfil, foi cremado nesta manhã em Paris e terá suas cinzas jogadas em Montparnasse.

Os colunistas Elza Hayat e Bernard Maris, assim como Franck Brinsolaro, um segurança que protegia o local no momento do ataque, também estão sendo enterrados nesta quinta-feira (15).

Enterro foi em Montreuil, perto de Paris
AP
Enterro foi em Montreuil, perto de Paris

Na sexta-feira (16) serão enterrados o diretor do jornal e chargista, Stéphane Charbonnier, também conhecido como "Charb", o cartunista Honoré, assim como outro de seus colaboradores, o corretor Mustapha Ourrad.

Leia mais:  Com tiragem maior, edição da Charlie Hebdo se esgota na França

O desenhista Jean Cabu foi enterrado na última quarta-feira (14) no nordeste da França. Michel Renaud, que visitava a redação no momento do ataque, também já foi velado.

Criminosos

A França ainda se pergunta qual será o destino dos irmãos Said e Chérif Kouachi, que abriram fogo contra a redação do jornal, e Amedy Coilibaly, que realizou um sequestro em um mercado judaico de Paris, deixando quatro mortos.

Leia também:  "Há limites para liberdade de expressão", diz Papa Francisco

Até o momento, os corpos estão no instituto médico legal local, no distrito 12 de Paris, onde devem permanecer enquanto durarem as investigações.

O Ministério do Interior francês informou ao jornal "Le Figaro" que as famílias dos criminosos provavelmente devem decidir o destino dos corpos.

Veja as imagens e relembre o ataque:



    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.