Itamaraty acompanha caso de brasileiro condenado à morte na Indonésia

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Ex-presidente Lula e a presidente Dilma enviaram cartas ao presidente da Indonésia pedindo a reversão da sentença

Agência Brasil

O Itamaraty informou nesta quinta-feira (15) que o governo continua “acompanhando estreitamente” o caso do brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, de 53 anos, preso desde 2003 na Indonésia, por tráfico de drogas, que pode ser executado por fuzilamento neste sábado, de acordo com jornais indonésios e australianos.

Leia: Brasileiro será fuzilado neste sábado na Indonésia por tráfico de drogas

Brasileiro (à direita), que tentou entrar na Indonésia com 13,4 kg de cocaína, com seu advogado
Divulgação
Brasileiro (à direita), que tentou entrar na Indonésia com 13,4 kg de cocaína, com seu advogado

Apesar de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidenta Dilma Rousseff terem enviado cartas ao presidente da Indonésia, pedindo a reversão da sentença, desde que Marco Archer foi condenado à pena de morte, o governo brasileiro ainda avalia as possibilidades abertas.

Leia:
Especial sobre dez anos do tsunami da Indonésia, que matou 230 mil

“O governo brasileiro continua mobilizado, acompanhando estreitamente o caso, e avalia todas as possibilidades de ação ainda abertas. De modo a preservar sua capacidade de atuação, o governo brasileiro manterá reserva sobre as decisões tomadas”, informou o Itamaraty, por meio de nota. De acordo com as leis da Indonésia, a única forma de reverter uma sentença de morte é se o presidente do país aceitar um pedido de clemência.

O brasileiro trabalhava como instrutor de voo livre e foi preso em agosto de 2003 por tentar entrar no país, pelo aeroporto de Jacarta, com 13,4 quilos de cocaína, escondidos em uma asa delta desmontada em sete bagagens. Marco Archer ainda conseguiu fugir do aeroporto, mas foi localizado após duas semanas, na ilha de Sumbawa. Ele confessou o crime e disse que recebeu US$ 10 mil para transportar a cocaína de Lima, no Peru, até Jacarta. No ano seguinte, ele foi condenado à morte.

Leia mais: 
Polícia cumpre 34 mandados de prisão por tráfico de drogas no Rio de Janeiro

A primeira vez que o governo brasileiro pediu ao presidente da Indonésia clemência para Marco Archer foi em marco de 2005, quando o presidente Lula enviou carta ao presidente da Susilo Bambang Yudhoyono. Apesar de não desconhecer a gravidade do delito cometido, Lula apelou ao sentimento de humanidade e amizade do presidente indonésio.

Em 2012, a presidenta Dilma aproveitou um encontro bilateral com o presidente Yudhoyono, à margem da 67ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, e entregou nova carta apelando para que o brasileiro não seja punido com a pena de morte.

Yudhoyono, no entanto, não atendeu aos pedidos, e o atual presidente, Joko Widodo, que asumiu o cargo em 2014, é considerado ainda mais rígido em relação ao combate às drogas, já tendo afirmado que rejeitará todos os pedidos de clemência das 64 pessoas condenadas à morte no país, por crimes relacionados com drogas.

Marco Archer pode ser o primeiro brasileiro executado por crime no exterior. De acordo com o jornal australiano The Sidney Morning Herald, o advogado do brasileiro, Utomo Karim, disse que ele está em estado de choque e com medo. Segundo Karim, Marco Archer pediu ao Consulado do Brasil em Jacarta para que o governo brasileiro faça todo o possível para que ele não seja morto.

Leia também: 
67,7% dos presos por tráfico de maconha tinham menos de 100 gramas da droga

Além dele, outro brasileiro, Rodrigo Gularte, de 42 anos, também está no corredor da morte na Indonésia, por tentar entrar no país, em julho de 2004, com seis quilos de cocaína escondidos em uma prancha de surfe. De acordo com o último levantamento do Itamaraty, havia 3.209 brasileiros presos no exterior até o fim de 2013.

Leia tudo sobre: indonesiatráficoexecucoes na indonesia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas