Enquanto Benjamin Netanyahu, Mahmoud Abbas e outros líderes aparecem em primeiro plano, edição do Kol Hamevaser eliminou Angela Merkel e prefeita de Paris de foto

Uma publicação israelense judaica ultraortodoxa provou nesta semana que a intolerância religiosa pode ter origem em qualquer religião – não só no islamismo, alvo de críticas severas devido ao fundamentalismo de alguns de seus adeptos, como Estado Islâmico e Al-Qaeda.

Reprodução do Kol Hamevaser: apenas para seus editores mulheres não estiveram em ato
Kol Hamevaser/Reprodução
Reprodução do Kol Hamevaser: apenas para seus editores mulheres não estiveram em ato

Publicada por uma Yeshivá (instituição de ensino religioso) israelense, a Kol Hamevaser simplesmente cortou de uma foto lideranças de Estado do sexo feminino em uma matéria recente sobre os protestos contra o terrorismo realizados em Paris, no domingo (11).

Foto original, com Merkel, a prefeita de Paris e a chanceler da União Europeia: sim, elas foram
Walla/Reprodução
Foto original, com Merkel, a prefeita de Paris e a chanceler da União Europeia: sim, elas foram

Leia mais:
Marcha contra o terror em Paris reúne líderes e um milhão e meio de pessoas

Imagem que rodou o mundo, na qual aparecem lideranças de diversos países na linha de frente do protesto que reuniu 1,5 milhão de pessoas na capital francesa, ela foi alterada pela revista, que cortou todas as mulheres da foto. 

Assim, para os leitores da publicação, a premiê da Alemanha, Angela Merkel, sequer compareceu ao protesto. Mesmo caso da chanceler da União Europeia, Federica Mogherini, e da prefeita de Paris, Anne Hidalgo.

Do lado masculino, no entanto, todos os líderes aparecem em destaque. Incluindo o chefe da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, a quem os ultraortodoxos têm pouca simpatia, próximo ao premiê israelense, Benjamin Netanyahu.

Leia também:
Paris: presença de alguns líderes mundiais em marcha é criticada
Marchas ao redor do mundo homenageiam vítimas de ataque terrorista em Paris

Assim como as religiões cristã e islâmica, o papel da mulher no judaísmo é absolutamente secundário, especialmente entre ortodoxos, que sequer se relacionam com pessoas do sexo feminino – salvo quando casados. 

A descoberta da eliminação das mulheres da foto foi feita pelo jornalista David Abraham e publicada no jornal Walla, na segunda-feira (12).

Veja fotos dos protestos contra o terror na Europa:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.