O Estado Islâmico vai substituir o Taleban no Afeganistão?

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

Ex-porta-voz do Taleban diz que há comandantes do EI em ação, e que a frente paquistanesa teria se aliado ao movimento

BBC

A primeira evidência concreta de tentativas de recrutar combatentes no Afeganistão para o autoproclamado Estado Islâmico (EI) veio à tona.

Um ex-comandante do Taleban na província de Helmand Mullah Abdul Rauf declarou sua lealdade ao EI, que já controla partes consideráveis dos territórios do Iraque e da Síria.

Um antigo morador do distrito de Sangin, Sayeduddin Sanginwal, disse à BBC que a dissidência se voltou contra o grupo que lhe deu origem após substituir as bandeiras brancas do Taleban pelas negras do EI.

Escola militar do Paquistão reabre após atentado do Taleban

Dezembro: Paquistão inicia funeral de 148 vítimas após ataque do Taleban a escola

Bandeiras brancas do Taleban vêm sendo substituídas por bandeiras negras do Estado Islâmico no Afeganistão
AP
Bandeiras brancas do Taleban vêm sendo substituídas por bandeiras negras do Estado Islâmico no Afeganistão


Segundo a testemunha, cerca de 20 pessoas de ambos os lados foram feridos e mortos.

O vice-comandante da unidade do exército afegão responsável pela área, General Mahmood, confirmou ter recebido relatórios do novo grupo nos últimos dias.

Ele disse que os radicais estão tentando ganhar apoio para a causa do EI, e que estavam "se preparando para lutar".

O líder do novo movimento, Mullah Abdul Rauf, é um ex-alto comandante Taleban que passou seis anos na prisão de Guantánamo, após ser capturado pelas forças dos Estados Unidos em 2001.

Segundo relatos, ele teria perdido poder frente ao atual líder taleban, Mullah Omar.

'Mesmas pessoas, mesmos objetivos'

Rauf é um parente distante do governador da província de Nimruz, Amir Mohammed, segundo o qual o líder da dissidência taleban perdeu uma perna antes de ser levado para Guantánamo.

O governador disse que ele e seus apoiadores já haviam tentado recrutar combatentes em Farah, outra província no sudoeste do Afeganistão, mas acabaram expulsos pela população local com a ajuda da polícia.

Para Mohammed, são todos "iguais".

"No passado, eles lutaram pela al-Qaeda, em seguida, pelo Taleban, e agora pelo EI...são as mesmas pessoas com os mesmos objetivos", disse ele.

Em outro sinal de que o Taleban está enfrentando rupturas internas, o ex-porta-voz do grupo no Paquistão apareceu em um vídeo na Internet, dizendo que havia vários comandantes do Estado Islâmico em ação, e que o Taleban paquistanês teria se aliado ao movimento.

As imagens mostram vários comandantes talibans apoiando o Estado Islâmico.

No vídeo, eles afirmam ter trocado a fidelidade do líder taleban, Mullah Omar, pelo líder do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi.

Para especialistas, trata-se do primeiro grande desafio de coesão do Taleban em muitos anos.

Omar não tem sido visto em público desde 2001.

Seus combatentes continuaram o ataque contra alvos militares afegãos, mesmo após o fim das operações estrangeiras em 2014. Apesar das muitas baixas, particularmente entre a polícia, as forças afegãs ainda mantêm a ofensiva contra o grupo extremista.

Veja também: Ataque no Paquistão: imagens mostram destruição em escola onde crianças morreram

Membros do Exército feminino treinam habilidades de combate antes de combaterem o Estado Islâmico em acampamento militar no Iraque (18/09). Foto: ReutersMilitar curdo lança morteiros em direção Zummar, controlada pelo Estado Islâmico, em Mosul, Iraque (15/09). Foto: ReutersMilitantes do Estado Islâmico levam soldados iraquianos capturados depois de assumir base em Tikrit, Iraque (junho/2014). Foto: APObama prometeu ofensiva com ataques aéreos na Síria e no Iraque para combater EI (12/09). Foto: ReutersMilitares curdos em tanque enfrentam militantes do Estado islâmico em Mosul, Iraque (7/09). Foto: ReutersMilitante curdo dá cobertura durante confrontos do Estado Islâmico na linha de frente da vila de Buyuk Yeniga, Iraque (4/09). Foto: ReutersMilicianos xiitas do Iraque disparam suas armas enquanto celebram a quebra de cerco do Estado Islâmico em Amerli (1/09). Foto: ReutersGrupo carrega caixão de militante xiita iraquiano da Organização Badr, que foi morto em confrontos com militantes do Estado Islâmico no Iraque (1/09). Foto: ReutersCriança chora em helicóptero militar após ser retirada pelas forças iraquianas de Amerli, ao norte de Bagdá (29/08). Foto: ReutersCurdos e militantes islâmicos lutam no norte do Iraque (12/08). Foto: ReutersIraquianos carregam retratos do primeiro-ministro iraquiano Nuri al-Maliki enquanto se reúnem em apoio a ele em Bagdá, Iraque (11/08). Foto: ReutersMilhares de iraquianos fugiram com avanço de militantes do EI, inclusive integrantes de minorias religiosas (9/08). Foto: APTropas curdas implantam segurança intensa contra os militantes islâmicos do Estado em Khazer (8/08). Foto: ReutersTropas curdas patrulham em um tanque durante operação contra militantes do Estado Islâmico em Makhmur, nos arredores da província de Nínive, Iraque (7/08). Foto: ReutersParentes choram a morte de homem da YPG, morto durante confrontos com combatentes do Estado Islâmico na cidade iraquiana de  Rabia, na fronteira do Iraque-Síria (6/08). Foto: ReutersVoluntários xiitas do Exército iraquiano se recuperam em hospital após serem feridos em confrontos com militantes do Estado Islâmico em Basra, sudeste de Bagdá (6/08). Foto: ReutersMulher visita túmulo de um parente em cemitério durante as celebrações do Eid al-Fitr, que marca o fim do Ramadã, em Bagdá (28/07). Foto: ReutersSoldado iraquiano perto de corpo de um membro do Estado Islâmico que morreu durante confrontos com forças iraquianas em Tikrit, Iraque (19/07). Foto: ReutersBandeira preta usada pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante flamula de delegacia danificada em Mosul, norte do Iraque (1/7). Foto: APVoluntário xiita do Conselho Supremo Islâmico Iraquiano aponta arma durante treinamento em Najaf, Iraque (26/6). Foto: ReutersMembros das forças de segurança iraquianas tomam suas posições durante reforço de segurança no oeste de Bagdá, Iraque (24/6). Foto: ReutersXiitas iraquianos se preparam para patrulhar a aldeia de Taza Khormato, na rica província petrolífera de Kirkuk, no Iraque (22/6). Foto: APCombatentes xiitas levantam suas armas e entoam palavras de ordem após autoridades pedirem ajuda para conter os insurgentes em Sadr, em Bagdá, Iraque (17/06). Foto: APManifestantes gritam em favor do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em frente do governo provincial de Mosul (16/4). Foto: APCombatentes tribais xiitas mostram suas armas enquanto tomam parte de Dujail, ao norte de Bagdá, Iraque (16/06). Foto: ReutersCombatentes tribais xiitas levantam suas armas e gritam palavras de ordem contra sunita Exército Islâmico em Basra, Iraque (16/6). Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL mirando contra soldados à paisana depois de tomar base in Tikrit, Iraque. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque
. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque. Foto: APCombatentes iraquianos xiitas seguram suas armas enquanto gritam palavras de ordem contra o Estado Islâmico do Iraque e do Levante em Cidade Sadr, Bagdá (13/6). Foto: APVoluntários esperam para se juntar ao Exército e combater militantes predominantemente sunitas em Bagdá, Iraque (13/6). Foto: ReutersPresidente dos EUA, Barack Obama, fala sobre a situação no Iraque em pronunciamento na Casa Branca, em Washington (13/6). Foto: APImagem postada em Twitter militante mostra membro do Estado Islâmico do Iraque e do Levante com sua bandeira em base militar na Província de Ninevah, Iraque (12/6). Foto: APImagem publicada por militantes no Twitter mostra combatentes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em local na fronteira entre o Iraque e a Síria (12/6). Foto: APMuitas famílias começaram a deixar Mosul depois de ocupação por insurgentes sunitas (13/6). Foto: ReutersForças de segurança curda se posicionam do lado de fora da cidade petrolífera de Kirkuk após abandono de tropas iraquianas (12/6). Foto: APVeículos queimados pertencentes às forças de segurança iraquianas são vistos em posto de controle no leste de Mosul (11/6). Foto: ReutersPolicial federal do Iraque monta aguarda enquanto colega faz buscas em carro em posto de controle de Bagdá, Iraque (11/6). Foto: APFamílias que fogem da violência na cidade de Mosul esperam em posto de controle nos arredores de Irbil, região do Curdistão iraquiano (10/6). Foto: ReutersRefugiados que deixam Mosul se dirigem à região autônoma curda em Irbil, Iraque, a 350 km a norte de Bagdá (10/6). Foto: APMilitares se preparam para assumir suas posições durante confrontos com militantes no norte da cidade de Mosul, Iraque (9/06). Foto: AP


Novo grupo?

Uma grande cerimônia foi realizada na sede da guarnição militar na província de Helmand para dizer aos líderes políticos que as forças afegãs estão agora no controle da segurança do país.

Grandes áreas da base, conhecida como 'Camp Bastion' por forças britânicas, estão desertas, com as forças afegãs ocupando apenas uma pequena parte dela.

Os comandantes dizem que a temporada de combate atravessou um inverno excepcionalmente seco e ameno no Afeganistão ─ mas se Estado Islâmico conseguir se infiltrar no Afeganistão, a natureza da guerra vai mudar.

Antigos moradores da região que vieram à base testemunhar a demonstração do poderio militar afegão dizem torcer para que o Estado Islâmico não chegue ao país.

Também há relatos de que um grupo chamado Khorasan vem tentando recrutar combatentes na província de Wardak.

'Khorasan' é um dos antigos nomes do Afeganistão. Para alguns muçulmanos, a palavra carrega consigo implicações míticas depois de uma antiga profecia segundo a qual bandeiras negras tremulariam nos céus de 'Khorasan' antes do fim do mundo.

Anciãos vêm com temor ascensão do Estado Islâmico

Os EUA disseram que um ataque aéreo perto de Aleppo, na Síria, em setembro passado ocorreu em uma base utilizada por um grupo até então desconhecido chamado também Khorasan.

Este grupo era aliado do Estado islâmico, mas não está claro se há alguma conexão com o grupo homônimo no Afeganistão.

Isso tudo parece indicar que o conflito no Afeganistão está entrando em uma nova fase, de grande instabilidade.

Tem havido mais ataques a bomba suicidas contra civis – incluindo em um jogo de voleibol – que nunca foram alvo do Taleban no passado.

Se Mullah Omar está realmente perdendo o controle e o Estado Islâmico vem se infiltrando no país, o novo governo do presidente Ashraf Ghani, que só agora anunciou um gabinete, após mais de três meses no cargo, tem um grande desafio pela frente.

Leia tudo sobre: eii no iraqueestado islâmicoTalebanpaquistãoataquesterrorismo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas