Em vídeo do Estado Islâmico, criança aparece atirando em refém

Por Ansa | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

No entanto, a autenticidade do vídeo ainda não foi confirmada, nem sua data de gravação e divulgação

Os jihadistas do Estado Islâmico (EI, ex-Isis) divulgaram mais um vídeo chocante, no qual um menino de 10 anos aparece atirando contra um prisioneiro. Uma imagem congelada do vídeo foi publicada no Twitter de Rita Katz, diretora do "Site", grupo de inteligência especializado em terrorismo. "O EI atingiu um novo nível de depravação moral", escreveu Katz.

Estado Islâmico divulga novo vídeo com suposta decapitação de refém americano

Estado Islâmico divulga vídeo com suposto jornalista britânico John Cantlie

Em vídeo do EI, criança aparece atirando em refém
Reprodução
Em vídeo do EI, criança aparece atirando em refém

No entanto, a autenticidade do vídeo ainda não foi confirmada, nem sua data de gravação e divulgação. O Estado Islâmico tem sido considerado uma das principais ameaças internacionais, por adotar métodos extremos, como sequestros e decapitações.

Sua zona de atuação é o norte da Síria e do Iraque, onde o grupo tenta estabelecer um califado sunita. Diversas organizações de direitos humanos já denunciaram que o EI recruta crianças e adolescentes.

Lembre outras decapitações pelo mundo

Ruyati Binti Satubi: a faxineira nascida na Indonésia foi condenada a decapitação em 2011 após matar seu patrão na Arábia Saudita. Foto: Reprodução/YoutubeRuyati Binti Satubi: ela foi executada mesmo garantindo que agiu em legítima defesa e que era vítima de agressões. Seu corpo foi usado para escárnio. Foto: Reprodução/YoutubeEugene Armstrong: sequestrado em Bagdá em 2004, o americano trabalhava no setor de construção quando foi sequestrado e depois, decapitado. Foto: Reprodução/YoutubeEugene Armstrong: à época, o grupo radical islâmico Tawhid wal Yihad (Unificação e Guerra Santa) divulgou vídeo da execução. Foto: Reprodução/YoutubeDavid Haines: em 13 de setembro, o Estado Islâmico divulgou vídeo da morte do escocês de 44 anos. Ele era agente humanitário e foi sequestrado na Síria em 2013. Foto: ReutersAmina bint Abdul Halim bin Salem Nasser: saudita foi decapitada em 2011 sob acusação de bruxaria. A Arábia Saudita não divulgou mais nada sobre a morte. Foto: Reprodução/YoutubeAmina bint Abdul Halim bin Salem Nasser: jornal árabe de Londres informou que ela tinha até 60 anos e dizia que curava doenças em troca de dinheiro. Foto: Reprodução/YoutubeDaniel Pearl: em 2002, o repórter do Wall Street Journal foi capturado e morto pelo Movimento Nacional para Restauração da Soberania Paquistanesa, no Paquistão. Foto: Wikimedia CommonsAnna Månsdotter: a sueca foi decapitada em 1890 por ter supostamente matado a nora, Hanna Johansdotter, com ajuda do filho, em março de 1889. Foto: Wikemedia CommonsAnna Månsdotter: enquanto ela recebeu a pena de decapitação, seu filho foi preso e libertado em 1913. Morreu de tuberculose em 1918. Foto: Reprodução/YoutubeSteven J. Sotloff: no dia 2 de setembro, imagens do Estado Islâmico mostraram a decapitação do jornalista americano. Ele tinha 31 anos e havia sido sequestrado em 2013. Foto: APMarisol Macías Castañeda, México: a jornalista foi decapitada em 2011 por suas denúncias sobre os crimes de cartéis de drogas na internet. Foto: Reprodução/InternetMarisol Macías Castañeda, México: segundo o Daily Mail, o corpo foi achado na cidade de Nuevo Laredo. Outros jornalistas foram decapitados por facções. Foto: Reprodução/YoutubeJames Foley: em agosto, o Estado Islâmico divulgou vídeo que mostrava decapitação do jornalista americano. Ele tinha 40 anos. Foto: Reprodução/YoutubeThomas More: diplomata, filósofo e escritor, ele foi acusado, em 1535, de traição e decapitado na Inglaterra; 4 séculos depois foi canonizado pela Igreja católica. Foto: Wikimedia CommonsMaria Antonieta: a austríaca se tornou rainha da França ao se casar com o Rei Louis XVI em 1770. Foi decapitada durante a Revolução Francesa. Foto: Wikimedia CommonsMaria Antonieta: casada desde os 14, ela ganhou gradualmente a antipatia do povo, que a acusava de ser promíscua e de influenciar o marido a favor da Áustria. Foto: Wikimedia Commons



Leia tudo sobre: eii no iraqueestado islâmicomortecriançarefém

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas