Os invasores divulgaram documentos confidenciais do exército norte-americano, incluindo endereços das casas de oficiais

Após dias de tensão sem fim, com quatro ataques que somaram 17 mortes de civis e policiais  entre quarta (7) e sexta-feira (9), militantes islâmicos iniciaram a semana voltando a tentar impor o terror a países ocidentais. Desta vez, no entanto, o alvo foi no mundo virtual. 

Página inicial do comando: militantes islâmicos tentam aumentar suas atividades no Ocidente
Reprodução
Página inicial do comando: militantes islâmicos tentam aumentar suas atividades no Ocidente

Nesta segunda-feira (12), a conta na rede social Twitter do Comando Central dos Estados Unidos (Centcom) foi suspensa após ter sido alvo de ataque de um grupo de hackers supostamente ligados ao Estado Islâmico (EI). O comando é o responsável pela supervisão das operações aéreas lideradas pelos EUA contra o grupo no Iraque e na Síria. 

Leia mais:
Ataque a sede de revista satírica em Paris deixa 12 mortos
Polícia invade mercado judaico e mata terrorista; quatro reféns morrem

Responsável por ao menos cinco mortes em dois ataques, o jihadista Amedy Coulibaly, 32 anos, afirmou ter agido em nome do grupo antes de ser morto por policiais em um ataque a um mercado judaico , na sexta. Ele disse também que agiu em parceria com os irmãos Kouachi, os responsáveis pela chacina na sede da revista "Charlie Hebdo" – informação não confirmada pelo fato de a Al-Qaeda no Iêmen , sem ligação com o EI, ter reivindicado a autoria do ataque.

A exemplo do ocorrido em ataques anteriores contra outras páginas de autoridades e/ou empresas – vide a invasão à Sony que levou ao adiamento da estreia nos cinemas do longa "A Entrevista", contra o regime da Coreia do Norte –, os supostos hackers do EI divulgaram documentos confidenciais dos atacados, neste caso de integrantes do exército norte-americano, incluindo endereços das casas de oficiais.

Ataque a sede de revista satírica em Paris deixa ao menos quatro mortos:

Intimidação
Para divulgar sua ação, o grupo, autointitulado CyberCaliphate (Cipercalifado, na tradução para o português), trocou todo o perfil da conta do comando na rede social. No lugar das imagens do Centcom, foram colocadas fotos de uma pessoa com o rosto coberto ao lado da bandeira negra que simboliza o EI.

Mensagens extremistas e ameaças contra norte-americanos também foram publicadas, em uma tentativa de alastrar o terror que levou nações ocidentais a emitirem estado de alerta máximo contra ataques nos últimos dias.

“O EI já está aqui, estamos em seus computadores, em cada base militar americana”, escreveram os hackers na conta do Twitter do comando. 

Leia também:
Suspeitos de ataque terrorista a revista são mortos pela polícia
Morreremos como mártires, teriam dito suspeitos por telefone à polícia da França
Vaticano está na mira do Estado Islâmico, aponta serviço secreto dos EUA

Líderes do Estado Islâmico, grupo que se organizou em meio à guerra civil que já se arrasta por anos no Iraque e na Síria, autoproclamaram a fundação de um califado (um governo em acordo com as leis do islamismo) em territórios dos dois países, no ano passado. 

O grupo, que ataca minorias como os curdos e obriga aqueles que considera infiéis à conversão ao islã, é responsável por centenas de assassinatos, sequestros e estupros no Oriente Médio. Mas a fama do EI atravessou as fronteiras principalmente devido às decapitações a estrangeiros, principalmente dos EUA e do Reino Unido, com o intuito de intimidar e exigir suas demandas. Foi o caso de jornalistas, como o norte-americano James Foley , cujo assassinato, em agosto, foi filmado e publicado na web.

*Com informações da Agência Lusa, Agência Brasil, AP e CNN

    Leia tudo sobre: Estado Islâmico
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.