Mulher do atirador do supermercado, ela trocou cerca de 500 mensagens com companheira de um dos irmãos que abriram fogo contra revista na satírica na quarta-feira

Hayat Boumeddiene já havia sido interrogada pela polícia francesa sobre atos da Al Qaeda
AP Photo
Hayat Boumeddiene já havia sido interrogada pela polícia francesa sobre atos da Al Qaeda

A polícia francesa procura Hayat Boumeddiene, de 26 anos, companheira de Amedy Coulibaly – morto após ataque a um supermercado. Hayat é considera uma peça-chave para que as autoridades consigam desmantelar o que pode ser uma rede terrorista. 

Hayat Boumeddiene e Amedy Coulibaly se casaram em uma cerimônia religiosa islâmica em julho de 2009 - uma união não reconhecida pela lei francesa. 

Segundo os vizinhos, ambos eram tranquilos, educados e cordiais. O casal residia em Fontenay-aux-Roses, cidade situada nos subúrbios da capital francesa. Ela costumava sair cedo para trabalhar e ele ficava em casa a maior parte do tempo.

Apesar de nunca ter sido condenada por um crime, há registros de que Hayat era próxima a radicais islâmicos já conhecidos dos serviços de segurança. Ela também já posou para foto com o véu islâmico e segurando uma arma. 

Leia também:

Polícia caça cúmplices de atentados na França
Sequestrador de supermercado foi 'traído' por telefone mal desligado, diz jornal
Al-Qaeda do Iêmen reivindica atentado na França

Ainda segundo os registros, Hayat também já havia sido interrogada sobre sua reação a atos terroristas cometidos pela Al-Qaeda. "Eu não tenho nenhuma opinião sobre isso", ela teria dito. 

Na sexta (9), Coulibaly foi morto pela políciam, que invadiu o mercado de comida judaica no leste de Paris e libertou reféns do atirador. 

Praticamente na mesma hora, perto do aeroporto Charles de Gaulle, os dois irmãos suspeitos de matar 12 pessoas no jornal Charlie Hebdo na quarta-feira também foram mortos em um tiroteio com a polícia.

Francois Molins, promotor público de Paris, disse que a ligação entre Coulibaly e os irmãos Kouachi ficou claro para as autoridades depois da descoberta de que Hayat e a companheira de um dos Kouachis haviam trocado cerca de 500 ligações telefônicas.

Veja fotos do ataque em Paris:


(Com informações de AP e Ansa)


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.