Polícia não soube dizer o que pode ter acontecido com mulher apontada por autoridades como cúmplice de Amedy Coulibaly

Houve ao menos quatro mortes, incluindo a do atirador, quando a polícia invadiu mercado judaico em Paris nesta sexta-feira (9).

Antes:  Polícia invade mercado judaico onde suposto terrorista mantém reféns na França

Hoje: Explosões e tiros são ouvidos no local onde suspeitos mantêm reféns na França

O atirador foi identificado como Amedy Coulibaly. Mulher apontada como cúmplice está foragida
AP
O atirador foi identificado como Amedy Coulibaly. Mulher apontada como cúmplice está foragida


Forças de segurança invadiram o local minutos após a polícia matar os dois irmãos suspeitos pelo ataque a revista Charlie Hebdo. Eles haviam se escondido em uma fábrica a nordeste de Paris.

Os dois policiais, que não puderam ter os nomes divulgados por causa da rapidez no desenrolar dos acontecimentos, confirmaram que o atirador foi morto. Um dos policiais disse que os outros três mortos eram reféns. O atirador foi identificado como Amedy Coulibaly.

As forças de segurança lançaram uma grande operação para libertar as vítimas na tarde desta sexta-feira. Poucos minutos depois, várias pessoas foram vistas sendo levadas do mercado.

Terrorismo:  Homem mantém seis reféns dentro de mercado na França

Antes disso, forças policiais haviam invadido o mercado e uma mulher foi vista saindo do prédio. O ataque aconteceu momentos depois de uma ação semelhante ser realizada no lugar onde suspeitos pelas 12 mortes na revista Charlie Hebdo mantinham reféns a nordeste de Paris. O atirador havia ameaçado matar os que estavam dentro do local, se os irmãos fossem mortos.

Os terroristas são suspeitos de pertencerem a Al-Qaeda. As informações são de um policial francês. Terroristas fizeram reféns em dois locais diferentes nos arredores de Paris nesta sexta. A polícia local fechou um bairro judeu famoso e se esforça para proteger os moradores e turistas de outros ataques.

A França está em alerta máximo para mais ataques desde o pior ataque terrorista do país em décadas - o massacre da última quarta-feira (7), em Paris, na revista satírico Charlie Hebdo, que deixou 12 pessoas mortas.

Nenhum dos policiais disse o que aconteceu com a mulher listada pelos oficiais como cúmplice do homem armado.

*Com AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.