Em entrevista a canal francês, jornalista afirmou ter visto colegas caindo ao chão após serem mortos no Charlie Hebdo

BBC

Um dos poucos sobreviventes do ataque ao semanário satírico Charlie Hebdo, o jornalista Laurent Léger disse que só teve tempo de "se jogar debaixo da mesa", enquanto via seus colegas sendo mortos.

Veja fotos do ataque que deixou 12 mortos em Paris:

Em entrevista ao canal de TV francês France 2, ele contou como conseguiu sobreviver ao massacre, deixou 12 pessoas mortas, entre elas vários de seus colegas de redação.

Leia mais:
Ataque a sede de revista satírica em Paris deixa 12 mortos
Al Qaeda e Estado Islâmico chamam de 'heróis' autores de ataque na França
"Vingamos o profeta", teriam dito atiradores após ataque terrorista

O jornalista francês Laurent Léger
BBC/Reprodução
O jornalista francês Laurent Léger

"Nós ouvimos um barulho que parecia com fogos de artifício ─ e não entendemos o que estava acontecendo. De repente, um homem invadiu a sala de reunião. Havia cheiro de pólvora. Ele gritou 'Allahu Akbar' ("Deus é grande", em árabe) duas vezes e começou a atirar. Tudo aconteceu muito rápido", afirmou Léger.

"Eu só tive tempo de me jogar debaixo da mesa. Estava agachado ali e vi meus colegas mortos no chão. Tive sorte porque como, a sala era pequena, o atirador não podia andar com facilidade ao redor da mesa e olhar debaixo dela. Houve um longo período de silêncio e eu o ouvi indo embora", acrescentou o jornalista.

Leia também:
Novo tiroteio em Paris aumenta tensão na França
"Não trabalharia na Charlie. Não tenho por que desenhar Maomé sem roupa"
Policial morto em ataque em Paris era muçulmano
"Eles não estão interessados em Maomé", diz Laerte sobre atentado em Paris

"Assim que ele saiu, eu o ouvi dizendo a mulher na redação: "Não queremos matar mulheres". Aí ele trocou algumas palavras com outro homem e foi só aí que eu percebi que eram dois atiradores", afirmou Léger.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.