Edição especial terá 1 milhão de exemplares e será feita com ajuda dos grupos de mídia Le Monde, Libération e Canal+

Charlie Hebdo, conhecido como Charb, mostra capa polêmica. Charb foi morto no ataque
AFP
Charlie Hebdo, conhecido como Charb, mostra capa polêmica. Charb foi morto no ataque

O colunista do jornal Charlie Hebdo Patrick Pelloux disse hoje (8) que o jornal será publicado na próxima semana, mesmo após o ataque terrorista de ontem (7) que matou doze pessoas em sua sede.

“Vamos continuar, decidimos sair na próxima semana. Estamos todos de acordo”, disse Pelloux, ao adiantar que a equipe do jornal deve se reunir em breve.

Segundo o jornal Le Figaro, o advogado do semanário, Richard Malka, afirmou que a próxima edição terá uma tiragem de 1 milhão de exemplares, normalmente a tiragem é de 60 mil.

A edição terá apenas oito páginas e será feita com ajuda dos grupos de mídia Le Monde, Libération e Canal+.

Pelloux, que também é médico de emergência, disse que os escritórios do jornal satírico não estão acessíveis por causa da investigação policial. Ele assegurou que a equipe trabalhará em casa. "Vamos nos arranjar”, acrescentou.

“É muito duro, estamos todos com a nossa dor, os nossos medos, mas vamos fazê-lo porque não é a estupidez que vai ganhar. Charb [diretor da publicação, morto no atentado] dizia sempre que o jornal deveria sair custasse o que custasse”, disse o colunista.

Doze pessoas –entre as quais cinco dos principais caricaturistas do semanário (Charb, Wolinski, Cabu, Tignous e Honoré) e o economista Bernard Maris– foram mortas no ataque aos escritórios do jornal, no centro de Paris.

Em 2011, quando os escritórios do jornal foram incendiados, presumivelmente em represália pela publicação de caricaturas do profeta Maomé, o diário Libération acolheu a redação doCharlie Hebdo. Afetado pelo ataque, o Charlie Hebdo já estava ameaçado de falência. Deficitário, vende em média cerca de 30 mil exemplares e lançou recentemente um apelo por doações para que não encerrasse os trabalhos.

Com Agência Lusa

Veja homenagens às vítimas do ataque terrorista em Paris



    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.