Irmãos suspeitos de ataque que matou 12 pessoas em Paris foram vistos em posto de gasolina próximo a Villers-Cotterêt

Viaturas e helicópteros da polícia francesa intensificam buscas próximas à cidade de Villers-Cotterêt, no norte da França, para capturar dois suspeitos do ataque à sede da revista Charlie Hebdo em Paris.

Os irmãos Chérif e Said Kouachi, de 32 e 34 anos respectivamente, foram vistos pela última vez em um posto de gasolina dentro de um carro Clio prata fortemente armados, de acordo com o jornal francês Le Figaro. O veículo teria sido abandonado. 

Leia também: Suspeitos de ataque são franceses de origem argelina e residentes de Paris

- Suspeitos de ataque estão armados no norte da França, diz jornal

Segundo a rede de televisão CNN, ainda não há informações oficiais que confirmem se a polícia já encontrou os suspeitos. No entanto, uma área próxima ao posto de gasolina está cercada por viaturas e helicópteros.

Desde o ataque que deixou 12 pessoas mortas e 11 feridas, sete pessoas foram detidas pela polícia francesa. Todas teriam relação ou seriam familiares dos suspeitos, foram detidos na cidades de Reims e Charleville-Mezieres, e também na área de Paris.

O suspeito de ter dirigido o carro que tirou os atiradores do local do crime se entregou após ver seu nome circular na imprensa. Hamyd Mourad, de 18 anos, morava na cidade de Reims, no nordeste da França. Mourad nega ter participado do atentado.

Polícia fez apelo para localizar os irmãos Said Kouachi e Cherif Kouachi, suspeitos de participarem de ataque a revista
Préfecture de Police de Paris
Polícia fez apelo para localizar os irmãos Said Kouachi e Cherif Kouachi, suspeitos de participarem de ataque a revista



Saiba como foi o ataque

Na manhã de quarta-feira (7), dois homens encapuzados armados com fuzis invadiram a redação da revista satírica Charlie Hebdo e atiraram contra os profissionais. O ataque matou 12 pessoas e deixou 11 profissionais feridos.

Assista:  Vídeo mostra ataque em sede de revista em Paris

Entre os mortos estão o cartunista e diretor do semanário, Stephane Charbonnier, conhecido como Charb, os cartunistas Cabu, Tignous e Wolinski foram mortos. Tignous e Cabu estavam na lista de alvos da Al-Qaeda desde 2013. Wolinski era considerado um dos maiores chargistas do mundo, influência de várias gerações de profissionais.

A revista Charlie Hebdo foi alvo de polêmica e ameaças outras vezes por publicar charges com Maomé, profeta do islamismo.

Tiroteio aumenta tensão em Paris

Um novo tiroteio ao sul da capital francesa na manhã desta quinta-feira aumentou a tensão na cidade, que está com o alerta máximo contra terrorismo e tropas extras.

No tiroteio desta manhã, no subúrbio de Montrouge, ao sul de Paris, uma policial morreu e uma segunda pessoa ficou gravemente ferida. O atirador fugiu. Não está claro se o incidente tem relação ao ataque à Charlie Hebdo.

Ataques contra muçulmanos

Locais de culto muçulmano foram alvo nas últimas horas de atos criminosos em três cidades da França. Os ataques não causaram vítimas disseram fontes judiciais um dia depois do ataque contra o semanário francês Charlie Hebdo.

Em Mans –oeste do país–, foram lançadas três granadas e feito pelo menos um disparo contra uma mesquita em um bairro popular pouco depois da meia-noite.

Em Port-La-Nouvelle, ao sul da França, houve disparos contra uma sala de oração muçulmana durante a noite, cerca de uma hora depois do fim da oração, disse o procurador em Narbonne, David Charmatz.

Cartunista morto em ataque na França havia publicado charge sobre terrorismo

“Obviamente é alguém que quis se vingar”, declarou Charmatz, após ser perguntado sobre uma possível ligação com o atentado de ontem contra o jornal, em Paris.

Na manhã desta quinta-feira, ocorreu uma explosão de origem criminosa na frente de um restaurante de kebab (especialidade árabe) perto de uma mesquita em Villefranche-sur-Saône, Centro-leste da França.

O presidente da Câmara da cidade, Bernard Perrut, admitiu que o ato possa estar ligado à “situação dramática” criada pelo atentado da véspera, apelando “à coesão, unidade e respeito”.

Milhares de franceses vão às ruas em homenagem às vítimas


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.