Ainda não se sabe se o tiroteio tem relação com o ataque de quarta-feira a sede da Charlie Hebdo, que deixou 12 mortos

BBC

Uma policial morreu após um novo tiroteio em Paris nesta quinta-feira (8), elevando ainda mais as tensões na França, um dia após suspeitos islâmicos terem matado 12 pessoas na redação de uma revista satírica.

Ataques a prédios religiosos muçulmanos foram registrados durante a madrugada, sem deixar feridos, disseram autoridades francesas citadas pela agência de notícias AFP.

No tiroteio desta manhã, no subúrbio de Montrouge, ao sul de Paris, uma segunda pessoa ficou gravemente ferida. O atirador fugiu. Não está claro se o incidente tem relação ao ataque à Charlie Hebdo.

O ministro do Interior francês, Bernard Cazeneuve, alertou contra conclusões precipitadas após o incidente. O homem estava armado com uma metralhadora e uma pistola e vestia um colete à prova de balas, disseram fontes da polícia à AFP.

Um morador, Ahmed Sassi, descreveu uma "cena de pânico". Ele disse que um homem vestido em cores escuras correu e atirou contra o policial "à queima roupa".

Prédios muçulmanos foram atacados na cidade de Le Mans, no oeste de Paris, e no distrito de Port-la-Nouvelle, perto de Narbonne, no sul da França.

Em Villefranche-sur-Saone, perto Lyon, o vice-prefeito da cidade disse que o ataque a um restaurante árabe perto de uma mesquita "aparentemente está ligado à situação dramática (em Paris)".

Estes novos incidentes - que, inicialmente, não teriam ligação entre si - aumentaram as tensões na França, traumatizada pelo ataque de quarta-feira. O país declarou luto oficial em homenagem às vítimas.

A polícia fez sete prisões durante a madrugada em uma megaoperação de busca aos dois suspeitos do ataque - os irmãos Cherif e Said Kouachi, que estariam "armados e perigosos". Um terceiro suspeito se entregou.

Fontes próximas à investigação disseram à AFP que os dois foram localizados nesta quinta-feira em um carro numa estrada na região de Aisne, no norte da França.

Eles teriam sido reconhecidos pelo gerente de um posto de serviços perto da cidade de Villers-Cotteret, e estariam armados.

Saiba mais sobre o ataque à revista satírica Charlie Hebdo


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.