Após o ataque que matou 12 pessoas na sede da revista Charlie Hebdo em Paris, Marine Le Pen defendeu pena de morte

A política Marine Le Pen é presidente do Front National, partido francês de extrema direita
Divulgação/Front National
A política Marine Le Pen é presidente do Front National, partido francês de extrema direita

A líder do partido de extrema-direita francês Frente Nacional (FN), Marine Le Pen, disse nesta quinta-feira (8) ser a favor de um referendo sobre a implantação da pena de morte no país, enquanto comentava sobre o atentado que matou 12 pessoas na sede na revista Charlie Hebdo ontem.

"Pessoalmente, penso que essa possibilidade deva existir", declarou a política em entrevista à emissora "France 2". Ela ainda afirmou que a nação está em guerra contra o fundamentalismo islâmico e que há anos alertava para o risco do radicalismo muçulmano no território local.

Veja também:  Suspeitos de ataque são franceses de origem argelina

"Eu acredito que toda o país está unido na dor e na sensação de que a França está sendo atacada", acrescentou.

Após o ataque, testemunhas disseram que os atiradores teriam gritado "Vingamos o profeta". 

Filha do criador da FN, Jean-Marie Le Pen, Marine conseguiu nos últimos anos aumentar a popularidade da legenda radical e é tida como uma forte candidata nas próximas eleições presidenciais. Ela é a favor da saída da França da União Europeia e defende políticas anti-imigração. 

Veja homenagens às vítimas do atentado


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.