Alerta foi disparado poucas horas após três homens armados invadirem a sede de jornal satírico em Paris e matar 12 pessoas

Agência Brasil

Funcionários do Grupo Prisa, ao qual pertencem o jornal El País e outros veículos de comunicação, tiveram que abandonar às pressas a sede da empresa, em Madri. Segundo empregados do jornal ouvidos pela Agência Brasil, a polícia madrilenha evacuou o local por causa de suspeita de que havia uma bomba no interior do prédio.

O alerta no El País foi disparado poucas horas após três homens armados invadirem a sede do jornal satírico Charlie Hebdo, em Paris, na França, e matar 12 pessoas, entre cartunistas, policiais e outros funcionários da publicação .

Leia também:

Cartunista morto em ataque na França havia publicado charge sobre terrorismo
"Vingamos o profeta", teriam dito atiradores após ataque terrorista na França
Em nota, Dilma diz que atentado é grave violação à liberdade de imprensa

O edifício foi evacuado por volta das 14h30 (11h30 em Brasília). Os funcionários permaneceram do lado de fora do prédio por mais de uma hora e meia. Eles retornaram ao trabalho no início da tarde. Nenhum dos funcionários ouvidos pela reportagem soube informar o conteúdo do pacote encontrado no prédio. No entanto, o jornal publicou matéria revelando tratar-se de uma garrafa conectada de forma rudimentar a uma lata despray que, segundo a Polícia Nacional, não oferecia qualquer perigo.

O jornal é alvo de constantes ameaças de fundamentalistas religiosos ofendidos com as charges e críticas ao islamismo e ao profeta Maomé, cultuado pelos muçulmanos.

Os três criminosos ainda não foram detidos e a França está em estado de alerta a possíveis atentados terroristas.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.