François Hollande disse que vários outros ataques do tipo foram frustrados nas últimas semanas; há cerca de 12 mortos

O presidente da França, François Hollande, disse que o ataque de dois homens encapuzados à sede da revista satírica Charlie Hebdo nesta quarta-feira (7) foi um ataque terrorista e que outros ataques do tipo foram frustrados "nas últimas semanas".

Testemunhas afirmam que dois homens invadiram a redação da revista e atiraram contra os jornalistas. Ao menos 12 pessoas foram mortas e outras três estão gravemente feridas. 

Mais cedo:  Ataque a sede de revista satírica em Paris deixa 12 mortos

Presidente da França, François Hollande, segue para local onde ocorreu suposto ataque terrorista em Paris
Reprodução/Twitter
Presidente da França, François Hollande, segue para local onde ocorreu suposto ataque terrorista em Paris

Veja fotos: Ataque a sede de revista em Paris deixa 11 mortos

Xavier Castaing, chefe de comunicações da prefeitura de Paris, confirmou as mortes na sede da Charlie Hebdo, um semanário satírico que foi repetidamente ameaçado por publicar caricaturas do profeta Maomé, entre outros desenhos controversos. Luc Comovente, um funcionário do sindicato da polícia SBP, disse que os supostos terroristas fugiram em dois veículos. 

Assista:  Vídeo mostra ataque em sede de revista em Paris

Testemunhas disseram que os homens abriram fogo com fuzis Kalashnikov e depois fugiram do local. Comovente disse que eles fizeram vários disparos antes de deixar o local.

Ruas foram fechadas ao redor do prédio no rescaldo do tiroteio e a algumas centenas de metros de distância. No Boulevard Richard-Lenoir, um carro da polícia foi crivado de buracos de bala no pára-brisa, segundo o The Guardian.

O veículo francês gerou polêmica no passado com sua descrição irônica de notícias e assuntos atuais. Seu Tweet mais recente foi o desenho animado do líder do grupo Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi.

Uma testemunha do ataque, Benoit Bringer, disse à rede iTele ter visto vários homens mascarados armados com pistolas automáticas chegar à sede do Charlie Hebdo, no centro de Paris.

Antes de deixarem o local, os homens teriam gritado "Vingamos o profeta!", de acordo com policiais franceses. Há ainda três feridos internados em estado grave. 

Rocco Contento, porta-voz do sindicato dos policiais local, disse aos jornalistas que três suspeitos fugiram em um carro dirigido por um quarto homem. O veículo seguiu no sentido de Port de Pantin, onde o grupo teria roubado outro carro e fugido, de acordo com o The Guardian. 

*Com AP e BBC

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.