China reúne 30 países da América Latina em Pequim por acordo de cooperação

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Criado em 2014, fórum é uma plataforma intergovernamental de cooperação política, econômica e comercial entre os países

Agência Brasil

Governantes chineses e de 30 países latino-americanos vão se reunir entre quinta (8) e sexta-feira (9) em Pequim para o primeiro encontro ministerial do Forum China-Comunidade dos Estados da América Latina e do Caribe (Celac).

Dezembro: China diz que EUA não podem criticar outros países sobre direitos humanos

O presidente Xi Jinping: promessa de caçar corruptos de todos os escalões na China (dezembro/2014)
Reuters
O presidente Xi Jinping: promessa de caçar corruptos de todos os escalões na China (dezembro/2014)


Corrupção: Ex-autoridade de planejamento da China pega prisão perpétua

"Até agora, 30 dos 33 membros da Celac e 20 ministros dos Negócios Estrangeiros já confirmaram participação", anunciou nesta segunda (5) um alto funcionário do governo chinês.

A sessão de abertura terá também a presença dos presidentes da China, Costa Rica, do Equador e da Venezuela. Criado no verão passado, o novo forum é considerado "uma plataforma intergovernamental de cooperação politica, econômica e comercial".

"A China e os países da Celac encontram-se em fase semelhante de seu processo de desenvolvimento e partilham muitos interesses", disse Zhu Qingqiao, diretor do departamento do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês encarregado dos Assuntos da América Latina e do Caribe.

Alguns países vão enviar também ministros de outras pastas, principalmente do Comércio, Turismo e da Ciência, acrescentou.

"As nossas relações vão entrar em uma nova era e ascender a um patamar mais alto", afirmou Zhu Qingqiao.

Segundo ele, a China já é o segundo parceiro comercial da América Latina e do Caribe e, para alguns países da região, entre eles o Brasil, é o primeiro.

Pelas contas chineses, nos primeiros 11 meses de 2014, o comércio entre a China e a região cresceu 1,3% em relação ao mesmo período do ano anterior, somando US$ 241,9 milhões.

Leia tudo sobre: chinavenezuelacaribecelaccosta ricaqingqiaobrasil

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas