Trinta corpos foram recuperados; equipe de resgate acredita que mau tempo e ondas de até 4 metros previstas para o fim de semana vão prejudicar buscas na região onde ocorreu acidente

Equipe de busca carrega caixões com os corpos de vítima de acidente, nesta sexta-feira (2)
AP
Equipe de busca carrega caixões com os corpos de vítima de acidente, nesta sexta-feira (2)

Depois de quase uma semana de busca, as equipes de resgate que trabalham na Indonésia conseguiram nesta sexta-feira (2) triplicar o número de corpos resgatados no mar de Java, alguns deles presos ainda às poltronas do avião da AirAsia e com os cintos afivelados.

Dos 30 corpos recuperados até agora, 21 foram encontrados nesta sexta-feira. A equipe enfrenta dificuldades por conta das chuvas de monção.  Garoa e nuvens se instalaram na região nesta sexta-feira, mas a previsão até domingo é de chuva, ventos fortes e ondas de até 4 metros, o que pode dispersar corpos e destroços.

Leia mais:  Indonésia começa a identificar corpos de vítimas do voo QZ8501

O Airbus A320 transportando 162 passageiros e a tripulação caiu domingo, na metade da rota do voa que partiu de Subaya, na Indonésia, com destino a Cingapura.

Minutos antes de perder contato, o piloto disse ao  controle de tráfego aéreo que se aproximava de uma área de nuvens, porém a permissão para que a aeronave subisse de altitude foi negada por causa do tráfego aéreo pesado.

Ainda não está claro o que ocasionou o acidente e a queda do avião no mar. A tragédia foi o primeiro na história da AirAsia, que começou as operações em 2001 e se tornou uma das mais populares na região.  

Além de procurar pelos corpos das vítimas no mar, o chefe da agência de busca e salvamento Henry Bambang Soelistyo afirma que navios da Indonésia, Malásia, Cingapura e Estados Unidos estão vasculhando o fundo do oceano, enquanto tentam localizar destroços da aeronave e a caixa-preta.

Leia mais: Previsão de mau tempo pode dificultar busca por corpos e destroços

A equipe busca informações cruciais, como a temperatura do motor e velocidade vertical e horizontal da aeronave; o gravador de voz salva as conversas entre pilotos e outros sons vindo de dentro da cabine.

Toos Saniotoso, um investigador de segurança aérea da Indonésia, disse que os investigadores "estão considerando todos os aspectos" antes de determinar os motivos da queda do avião. "O lado operacional, o fator humano, o lado técnico, o controle de tráfego aéreo — tudo é valioso para nós". 

Geralmente, de acordo com especialistas em aviação, quando corpos, bagagem e partes da aeronave permanecem intactos pode significar que o avião não se despedaçou antes de atingir o mar. Isso seria sinal de problemas como erro mecânico ou perda de velocidade no lugar de ter se partido no ar  devido a uma explosão ou despressurização súbita.

(Com informações da AP)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.