Um barco com sonar ajudou na localização do jato. Até o momento, sete corpos de vítimas foram resgatados

AP

Airbus 320-200 da AirAsia foi encontrado no fundo do Mar de Java
AP
Airbus 320-200 da AirAsia foi encontrado no fundo do Mar de Java

As buscas pelas 162 vítimas do AirAsia Voo QZ8501 recomeçou no Mar de Java na madrugada desta quarta-feira (31, pelo horário de Brasília) com a confirmação de que o Airbus 320-200 está no fundo do Mar de Java.

LEIA TAMBÉM:  Mau tempo pode derrubar avião?

Um navio que participa das operações de busca conseguiu determinar com precisão a localização da aeronave graças ao uso de um sonar, afirmou a Agência Nacional de Busca e Resgate da Indonésia (Basarnas).

O avião está a cerca de 3 quilômetros da região onde foram avistados os primeiros destroços. No entanto, as autoridades não informaram se a aeronave está intacta ou se ela se partiu com o impacto. Alguns veículos da imprensa local afirmam que o Airbus 320-200 estaria de cabeça para baixo, fato não confirmado pela Basarnas.

Até o momento, sete corpos foram encontrados, incluindo uma aeromoça identificada pelo seu uniforme. Caixas de madeira simples, contendo corpos, com sinais de número 001 e 002, foram descarregados em Pangkalan Bun, com flores por cima.

“Três corpos foram recuperados na terça-feira, enquanto os outros foram encontrados após a busca ser retomada nesta quarta-feira”, disse o chefe da Agência de Resgate da Indonésia, Henry Bambang Soelistyo.

Segundo Soelistyo, os sonares submarinos identificaram o que parecia ser uma grande parte do avião. A equipe de resgate também encontrou corpos e restos que incluíam um colete salva-vidas, uma porta de saída de emergência e uma mala de viagem a cerca de 10 quilômetros das últimas coordenadas conhecidas do avião.

Nesta quarta-feira, os mergulhadores foram mobilizados, mas fortes chuvas e nuvens prejudicaram a ação, disse Soelistyo. Os helicóptero quase não conseguiram chegar a região da queda da aeronave, mas os navios permaneceram por lá. 

"Parece que os destroços encontrados se afastaram mais de 50 quilômetros do primeiro local em que foram avistados", disse Sunarbowo Sandi, coordenador de resgate, em Pangkalan Bun, na ilha de Bornéu, a cidade mais próxima ao local. "Acreditamos que esses corpos possam acabar nas praias." Alguns cadáveres foram vistos cerca de 160 km (100 milhas) de Pangkalan Bun.

A busca por corpos deve permanecer difícil até sexta-feira (2) em razão do mau tempo na região. Até o final da semana, a região sofrerá com chuvas intensas segundo a agência de Meteorologia e Geofísica da Indonésia.

Familiares estão em choque

Imagens dos destroços e um corpo inchado boiando mostrado na televisão na terça-feira deixaram familiares que aguardavam na sala de espera do aeroporto de Surabaya ainda mais angustiados. Alguns doaram sangue para exames de DNA e apresentaram fotos de seus entes queridos com informações específicas que possam ajudar a identifica-los, tais como tatuagens ou marcas de nascença.

"Eu sei que o avião caiu, mas eu não posso acreditar que o meu irmão e sua família estão mortos", disse Ifan Joko, que perdeu sete membros da família, três delas crianças. “Nós ainda rezamos para que eles estejam vivos”

Haidar Fauzie, 60, disse que sua única filha, Khairunnisa Haidar, era uma das comissárias de bordo e que havia trabalhado na AirAsia por dois anos. "Desde o início, nós já sabíamos dos riscos de ser uma aeromoça", disse Fauzie. "Ela é linda e inteligente. Sempre foi seu sonho voar. Nós não poderíamos impedi-la."

CEO do grupo AirAsia, Tony Fernandes, disse que pretende viajar para o local de recuperação dos corpos e dos pertences na quarta-feira (31). As autoridades disseram que estão buscando a caixa-preta da aeronave para poder determinar o quanto antes o que causou esse terrível acidente às vésperas do Ano Novo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.