Crítica foi feita após Sony exibir o filme A Entrevista no dia de Natal e receber apoio do presidente norte-americano

BBC

A Coreia do Norte acusou o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, de agir como "um macaco numa floresta tropical", em mais uma crítica pelo lançamento do filme A Entrevista, e culpou o governo norte-americano pela interrupção da internet no país.

A comédia, que gira em torno de um plano fictício para matar o líder norte-coreano, Kim Jong-un, foi lançada no Natal, após a estreia ter sido cancelada pela Sony Pictures devido a um ataque virtual e ameaças.

A decisão de cancelar o lançamento foi fortemente criticada, inclusive por Obama, sob o argumento de que a liberdade de expressão estava sob ameaça.

Comédia, A Entrevista gira em torno do plano de assassinar Kim Jong-un
BBC
Comédia, A Entrevista gira em torno do plano de assassinar Kim Jong-un


Em comunicado divulgado neste sábado, o porta-voz da Comissão de Defesa Nacional norte-coreana criticou fortemente os EUA pelo "filme desonesto e reacionário que fere a dignidade da liderança suprema da Coreia do Norte e provoca terrorismo".

Segundo o documento, Obama é "o principal culpado que forçou a Sony Pictures Entertainment a distribuir indiscriminadamente o filme", chantageando cinemas nos EUA.

"Obama é sempre imprudente em palavras e atos, como um macaco numa floresta tropical."

Após polêmica, o filme A Entrevista foi exibido no dia de Natal
BBC
Após polêmica, o filme A Entrevista foi exibido no dia de Natal

A grande dificuldade de Kim Jong-un é que A Entrevista - que apresenta o líder norte-coreano como um bobo maligno e vão - tem sido amplamente visto como engraçado e perspicaz, disse o correspondente da BBC em Seul, Stephen Evans.

Se ativistas contrabandearem o filme para a Coreia do Norte em pen-drives, como já fazem com outros filmes, o longa poderá revelar-se bastante poderoso, disse Evans.

O ataque
A comissão norte-coreana também acusou Washington de, "sem fundamentos", responsabilizar a Coreia do Norte pelo ataque virtual à Sony.

Inicialmente, a Sony Pictures havia cancelado a extreia do filme, após sofrer um ataque cibernético sem precedentes de um grupo que se autodenomina Guardiães da Paz.

Os hackers que invadiram a Sony também ameaçaram atacar cinemas que exibissem o filme.

O polêmico filme foi exibido em alguns cinemas dos EUA e na internet. Centenas de salas independentes se ofereceram para exibir o longa. No entanto, cinemas maiores decidiram não divulgar a comédia.

Na semana passada, o FBI culpou a Coreia do Norte pelo ataque à Sony, mas muitos especialistas em segurança cibernética disputaram essa versão.

A Coreia do Norte negou estar por trás do ataque, mas o descreveu como um "ato justo".

Depois, o país sofreu uma grave interrupção no seu acesso à internet.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.