Acostumada com grandes tempestades, Moscou registrou problemas de engarrafamento em toda a sua extensão, na tarde desta quinta-feira; termômetros chegaram a -12°C

A Rússia é um país bastante acostumado às intempéries do clima. Em certas localidades os termômetros não raro batem os -30ºC. Inclusive em sua capital, Moscou, a média entre dezembro e janeiro fica entre -5ºC e -10ºC. Assim, é uma região onde, diferente de outras localidades na Europa, as temperaturas baixas acompanhadas de tempestades raramente fecham aeroportos ou prejudicam o trânsito – os metros acumulados de neve nas ruas são sempre rapidamente dissolvidos pelas autoridades, com experiência para resolver outros problemas decorrentes do inverno. 

Assim, havia tempo que uma tempestade como a da tarde desta quinta-feira (25) não causava tantos transtornos na capital do país. O Escritório de Serviços Meteorólogicos da Rússia afirmou que a primeira nevasca do inverno, iniciado no último fim de semana, gerou mais de 10 centímetros de neve acumulada na capital em único dia.

Leia também:
Nevasca provoca mortes nos Estados Unidos
Maior nevasca dos últimos 20 anos deixa três mortos e 500 feridos no Japão

Apesar de nenhum dos aeroportos da capital russa ter fechado, mais de 150 voos tiveram de ser atrasados, o que também raramente ocorre. O congestionameno foi recorde para o horário e a época do ano: de acordo com as autridades, a cidade registrou dez pontos intransitáveis simultaneamente em toda Moscou – o que ocorre apenas raramente em horários de rush. 

O trânsito ficou tão pesado que ministros e outras autoridades acabaram atrasando pela primeira vez a uma sessão do governo, segundo o próprio primeiro-ministro do país, Dmitry Medvedev. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.