Coreia do Norte reage a acusações de ciberterrorismo e faz ameaças aos EUA

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Em comunicado, a Coreia do Norte ameaçou atacar a Casa Branca, o Pentágono e "todo o território dos Estados Unidos"

BBC

A Coreia do Norte ameaçou ataques contra os Estados Unidos, no que pode ser interpretado como uma escalada na guerra de palavras iniciada após um ataque cibernético à Sony Pictures.

EUA: FBI culpa Coreia do Norte por ataque de hackers; Obama promete resposta 

AFP
Cartaz que promovia o filme é retirado após Sony ter cancelado lançamento devido a ameaças de hackers

AnáliseCoreia do Norte e Hollywood: um caso de desamor

Em comunicado duro, a Coreia do Norte ameaçou ataques contra Casa Branca, o Pentágono e "todo o território dos Estados Unidos", mas sem especificar qual seria a natureza de tais ataques.

 O regime de Pyongyang nega a acusação formal dos Estados Unidos de que seja responsável por um grande ataque virtual à Sony em retaliação ao lançamento do filme A Entrevista, sobre um assassinato fictício de seu líder, Kim Jong-un.

"O Exército e o povo da Coreia do Norte estão totalmente prontos para entrar em confronto com os Estados Unidos em todos os espaços de guerra, incluindo guerra cibernética", disse um longo comunicado divulgado pela agência de notícias oficial coreana, que chamou o país americano de "fossa do terrorismo".

O documento acusou o presidente americano, Barack Obama, de "criar de maneira imprudente o boato" de que a Coreia do Norte estava por trás do ataque à Sony.

O comunicado também disse que a Coreia "estima a ação justa" tomada pelos hackers da Sony, embora "não tenha conhecimento de onde eles são".

Ataque à Sony

O ataque à Sony resultou no vazamento de filmes inéditos e o roteiro do próximo filme de James Bond. E-mails privados entre produtores e personalidades de Hollywood também foram divulgados.

 Após o ataque, a Sony cancelou o lançamento do filme A Entrevista, previsto para o Natal. A decisão foi tomada após ameaças feitas pelos hackers aos cinemas que colocariam a comédia em cartaz.

A Coreia do Norte negou estar por trás dos ataques e se ofereceu para realizar uma investigação conjunta com os Estados Unidos. Mas os americanos recusaram a oferta, e Obama disse considerar colocar a Coreia do Norte de volta em sua lista de patrocinadores do terrorismo, o que enfureceu ainda mais Pyongyang.

A Coreia do Norte integrou a lista americana por duas décadas até que a Casa Branca retirou o país, em 2008, como parte das negociações - agora paradas - sobre o programa nuclear de Pyongyang.

Em entrevista à CNN, no domingo, Obama prometeu responder "proporcionalmente" ao ataque virtual.

"Vou esperar para ver quais são as conclusões", disse ele, acrescentando não achar que o ataque tenha sido "um ato de guerra".

Os Estados Unidos também teriam pedido à China para conter ataques virtuais da Coreia do Norte.

A China é a aliada mais próxima da Coreia do Norte e é vista como o país com maior influência sobre Pyongyang.O ministro de Relações Exteriores chinês, Wang Yi, teve uma conversa por telefone com o secretário de Estado americano, John Kery, no domingo, e discutiram a questão da Sony.

Wang disse que a China é "contra todas as formas de ataques e terrorismo virtuais", mas não se referiu diretamente à Coreia do Norte.Correspondentes dizem que a questão da pirataria é uma questão sensível nas relações sino-americanas, com os dois lados frequentemente se acusando de espionagem virtual.

Leia tudo sobre: coreia do norteEUAObamaPyongyangChina

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas