Espanha prende 7 acusados de recrutar mulheres para o Estado Islâmico

Reuters

As polícias da Espanha e do Marrocos prenderam sete pessoas em uma operação conjunta contra supostas tentativas de recrutar mulheres para levar ao Iraque e à Síria a fim de apoiar insurgentes do Estado Islâmico, disse o Ministério do Interior espanhol nesta terça-feira.

LEIA TAMBÉM:
De onde vem o dinheiro que financia grupos extremistas islâmicos?

A Espanha está entre diversos países europeus que lutam para combater a radicalização de jovens cidadãos muçulmanos e evitar que eles se tornem jihadistas na Síria e no Iraque, temendo que possam voltar para casa e tramar ataques por lá.

FOTOS: ações de militantes islâmicos no Iraque


Quatro mulheres e um homem foram presos em Barcelona e nos enclaves espanhóis no norte da África de Ceuta e Melilla, e dois homens foram presos na cidade marroquina de Fnideq, perto de Ceuta, como parte da operação, disso o ministério em comunicado.

As sete pessoas foram acusadas de formar uma rede para encontrar, recrutar e enviar mulheres para a Síria e para o Iraque em nome do Estado Islâmico.

No passado, algumas mulheres com passaportes europeus foram convocadas para o lado do Estado Islâmico para compor seus contingentes nos conflitos na Síria e no Iraque, ou para se tornarem esposas de militantes.

Em setembro, a polícia espanhola prendeu nove pessoas suspeitas de pertencerem a uma célula militante ligada ao Estado Islâmico em Melilla, na costa norte da África.

A Dinamarca disse na sexta-feira que enfrentava uma “significante" ameaça de cidadãos muçulmanos radicalizados voltando para casa vindos da Síria e do Iraque, onde pelo menos 110 pessoas foram lutar com grupos jihadistas como o Estado Islâmico.

    Leia tudo sobre: estado islâmico
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.