Reféns de possível grupo terrorista escapam de café em Sydney, Austrália

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Cinco deixaram loja, mas número de reféns é desconhecido; imagens mostraram uma bandeira preta com dizeres islâmicos

BBC

Um homem armado mantém funcionários e clientes reféns em um café na cidade australiana de Sydney.

AP
Imagem de TV mostrou pessoas dentro do café e uma bandeira preta com frases islâmicas

Cinco pessoas foram vistas correndo do local. Não se sabe quantas pessoas continuam dentro do estabelecimento. A polícia disse ter feito contato com o homem, que permanence no café. A área foi isolada pela polícia.

Imagens de televisão mostraram pessoas no interior da loja, com as mãos espalmadas contra o vidro. Uma bandeira preta com frases islâmicas era sendo exibida na janela.

A bandeira é similar, mas não totalmente igual à usada pelo grupo Estado Islâmico, que atua em regiões do Iraque e da Síria, disse o correspondente de segurança da BBC Frank Gardner.

A Austrália participa da coalizão liderada pelos Estados Unidos contra militantes do grupo Estado Islâmico no Iraque. O país elevou seu nível de ameaça terrorista em setembro. Autoridades disseram haver indícios "consistentes com um evento terrorista".

O primeiro-ministro australiano, Tony Abbott, considerou "profundamente chocante" que pessoas estejam "sendo mantidas reféns por um homem armado sob motivações políticas"

"A Austrália é uma sociedade pacífica, aberta e generosa - nada deve mudar isso e é por isso que eu gostaria de pedir que todos os australianos sigam com suas vidas normalmente", disse ele na capital, Canberra.

'40 pessoas'

Refém corre em direção a um policial do lado de fora do Lindt café no Martin Place, centro de Sydney (15/12). Foto: ReutersReféns são vistos dentro de um café na região central da capital da Austrália (15/12). Foto: APRefém corre em direção a policiais depois de escapar de um café no Martin Place em Sydney, Austrália (15/12). Foto: APRefém corre em direção a policiais após escapar de café em Sydney, Austrália (15/12). Foto: APRefém é vista da janela de um café onde suposto grupo terrorista mantém reféns na capital da Austrália (15/12). Foto: ReutersPoliciais do lado de fora de um café onde homem mantém reféns no Martin Place, centro de Sydney (15/12). Foto: APPoliciais cercam café em região movimentada da capital da Austrália onde homem mantém reféns (15/12). Foto: APPrimeiro-ministro australiano Tony Abbott em coletiva na Casa do Parlamento, em Canberra, Austrália, depois de atirador fazer reféns em Sydney (15/12). Foto: AP

O incidente começou na hora em que os funcionários chegavam para trabalhar nesta segunda-feira no centro comercial Martin Place. O centro comercial fica no distrito financeiro de Sydney, sede de dois dos maiores bancos australianos.

Testemunhas disseram que um homem armado e de mochila entrou no café Lindt, onde estariam naquele momento dez funcionários e 30 clientes.

Escritórios ao redor foram esvaziados e policiais pediram que as pessoas ficassem dentro dos prédios e afastadas de janelas abertas. O famoso prédio da Ópera de Sydney também foi evacuado e todos os eventos programados para esta segunda-feira foram cancelados.

Seis horas depois do início do incidente, três pessoas saíram por uma porta lateral do café. Uma hora depois, duas outras pessoas saíram. Não se sabe se elas escaparam ou foram libertadas.

A vice-comissária da polícia de New South Wales, Catherine Burn, disse que negociadores estão em contato com o homem armado. O suspeito se comunicou com a imprensa local e teria feito exigências. Segundo ela, não há informações que indiquem feridos.

O correspondente da BBC em Sydney Jon Donnison disse haver uma grande operação policial, rara na cidade.

Leia tudo sobre: australiaataque na australiasydneyburn

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas