Márcia Mikhael mora no país há cerca de 20 anos e seus filhos estão em outra área da Austrália. Irmão dela está perto do café

A brasileira Márcia Mikhael esteve entre os reféns de um suposto militante do Estado Islâmico em um café na cidade australiana de Sydney, segundo informação de parentes. Ela é natural de Goiânia e mora na Austrália há cerca de 20 anos.

Polícia: Sequestrador de Sydney é refugiado iraniano

Marcia Mikhael está entre os reféns de militante de grupo sunita na Austrália
Reprodução/Facebook
Marcia Mikhael está entre os reféns de militante de grupo sunita na Austrália

Hoje:  Brasileira estaria entre reféns de suposto ataque do Estado Islâmico em Sydney

Essa informação chegou aos parentes por meio de duas mensagens postadas no perfil da brasileira no Facebook e foi confirmada por outros parentes que moram em Sydney. A informação não foi confirmada pelo Ministério das Relações Exteriores.

Segundo Adibe George Khuri, prima de Márcia, a brasileira tem três filhos, que estão na região do Café Lindt Chocolat, em Martin Place. Outra prima de Márcia Vanessa Fonseca afirmou que um irmão da brasileira também esteve na região do café e acompanhou toda a operação.

Terror:  Polícia negocia com suposto terrorista a liberdade de reféns na Austrália

A Secretaria de Assuntos Internacionais de Goiás informou que entrou em contato com o consulado brasileiro na Austrália.

"O consulado não tem ainda nenhuma informação sobre quem está lá dentro", disse o responsável de Assuntos Consulares e Diplomáticos do governo de Goiás, Adauto Drahuna Neto. Ele adiantou que se trata uma estratégia da polícia australiana não divulgar a identidade dos sequestrados.

Iraniano

O autor do crime é um refugiado iraniano condenado por abuso sexual e conhecido por ter enviado cartas de ódio a familiares de soldados australianos mortos no exterior, disse uma fonte da polícia nesta segunda-feira (15). 

Cenário: Saiba mais sobre o jihadismo pelo mundo

Susto:  Reféns de possível grupo terrorista escapam de café em Sydney

Haron Monis, um refugiado iraniano, permaneceu cercado dentro de um café por cerca de 16 horas após o início de sequestro.

"Não há razão operacional para que o nome seja retido por nós agora", disse a fonte policial, que pediu para não ser identificada.

A região de Martin Place, no centro do distrito financeiro, foi esvaziada e recebeu dezenas de agentes. Foi hasteada no Lindt Chocolate Cafe uma bandeira preta com inscrições em árabe. A mensagem diz: "Não existe outro Deus senão Alá, e Maomé é seu profeta".

A Austrália está em alerta máximo devido a eventuais ataques de cidadãos que regressam ao país após combaterem no Oriente Médio e as autoridades têm realizado diversas operações policiais de grande aparato nas principais cidades.

*Com Reuters e Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.