Executiva sul-coreana pede desculpas por escândalo durante voo

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Vice-presidente da Korean Air atrasou voo da empresa porque comissários serviram macadâmias em pratos na primeira classe

BBC

Uma ex-executiva da empresa Korean Air deixou ao cargo e pediu desculpas publicamente por ter atrasado um voo da empresa. Heather Cho ficou furiosa com dois membros da tripulação porque eles serviram nozes de macadâmia em um saquinho, e não em um prato, para ela.

Reuters
Executiva teria obrigado tripulantes a pedirem perdão pela maneira como serviram macadâmias na primeira classe


Cho, que é vice-presidente e filha do dono da empresa, estava na primeira classe e exigiu que o chefe da tripulação fosse removido do voo que saía de Nova York.

Neste domingo, ela visitou as casas dos dois tripulantes para desculpar-se pessoalmente. Nenhum dos dois estava, então ela deixou um bilhete.

O incidente foi manchete nos principais jornais locais durante a semana e causou indignação em todo o país.

Na sexta-feira, Cho pediu desculpas publicamente e se curvou para os jornalistas diante de um prédio do governo, onde iria se reunir com autoridades de transporte.

Segundo o correspondente da BBC no país, Steve Evans, os sul-coreanos estão irritados, mas também fazem piada com a situação.

De joelhos

Em uma entrevista à TV coreana, um dos comissários, Park Chang-jin, afirmou que Heather Cho obrigou uma colega aeromoça e ele a se ajoelharem e pedirem perdão pela forma como serviram a nozes de macadâmia. Park disse que a empresa chegou a tentar convencê-lo a mudar sua história.

"Pessoas que nunca sofreram este tipo de abuso não entendem a sensação de ser insultado e humilhado", disse ele a rede de TV KBS.

Segundo ele, a executiva exigiu que ele deixasse o voo e gritou para a tripulação: "eu não vou deixar esse avião decolar".

Park afirma que, como não poderia contrariar a "filha do dono", saiu do avião e voltou para a Coreia do Sul em outro voo. Cho, no entanto, negou a versão do comissário. "Eu nunca ouvi tal coisa, não sei do que estão falando", disse ela, segundo a agência de notícias AFP.

O governo disse estar investigando se Cho, herdeira da fortuna do pai, violou regras de segurança ao ordenar que o avião voltasse ao portão, quando ele já estava na pista.

'Tolice'

Antes que sua filha pedisse desculpas formalmente, o presidente da Korean Air, Cho Yang-ho, anunciou que ela deixaria todos os cargos em empresas do Grupo Hanjin, o conglomerado da família.

"Me desculpo como pai e como presidente da Korean Air", disse ele.

"O comportamento de minha filha foi uma tolice. Peço que as pessoas me culpem pela situação, porque a culpa é minha... Eu não eduquei minha filha corretamente."

O Grupo Hanjin é um dos principais conglomerados familiares da Coreia do Sul. Muitos sul-coreanos se ressentem desses conglomerados, afirmando que eles dominam a economia do país e agem com impunidade.

A família Cho já esteve envolvida em um escândalo de sonegação de impostos nos anos 1990, quando Cho Yang-ho chegou a ser preso por alguns meses.

Leia tudo sobre: coreia do sulchoevanskorean airheather cho

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas