Estado Islâmico exige corte da internet durante orações no leste da Síria

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Este é mais um exemplo de como o grupo impõe controles sobre a vida pública

Reuters

Militantes do Estado Islâmico ordenaram a donos de lojas que desliguem sua conexão de Internet sem fio durante os períodos de oração na cidade de Deir al-Zor, no leste da Síria, informou nesta quinta-feira (11) um grupo que monitora o conflito sírio.

Trata-se de mais um exemplo de como o Estado Islâmico impõe controles sobre a vida pública enquanto tenta erguer o que descreve como um califado no coração do Oriente Médio.

Os insurgentes ultrarradicais ocuparam vastas porções de território na Síria e no Iraque e são alvo de uma campanha de bombardeios aéreos liderada pelos Estados Unidos nos dois países.

Sediado em Londres, o Observatório Sírio para os Direitos Humanos citou um documento do Estado Islâmico obtido por ativistas que diz: “Todos os proprietários de lojas devem interromper a transmissão de Internet sem fio durante os períodos de oração”. Os muçulmanos rezam cinco vezes por dia.

O documento foi emitido pelas autodeclaradas autoridades do grupo radical a cargo do comportamento público na cidade, de acordo com o Observatório, que acompanha a guerra usando uma rede de informantes em solo sírio.

O Estado Islâmico controla a maior parte da província de Deir al-Zor, assim como a província de Raqqa, no noroeste. Em Raqqa, o grupo proibiu músicas e imagens de pessoas publicadas em público e administra quase tudo, de padarias a escolas, tribunais e mesquitas.

No domingo, o Observatório relatou que em Deir al-Zor o Estado Islâmico já havia ordenado aos donos de cafés que desliguem sua Internet da noite para o dia para evitar que detalhes de sua movimentação militar sejam comunicados.

A cobertura de Internet já é irregular em regiões sob disputa na Síria, que está no quarto ano da guerra civil.


Leia tudo sobre: MUNDOSIRIAINTERNETDESLIGA

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas