John Brennan afirmou em coletiva de imprensa que agência navegou em terreno desconhecido e não estava preparada para lidar com suspeitos de terrorismo após o 11 de setembro

Agência Brasil

A Agência Central de Inteligência (CIA, sigla em inglês) dos Estados Unidos admitiu, nesta quinta-feira (11), que não estava preparada para prender e interrogar os suspeitos pelo atentado contra o World Trade Center, em Nova York, no dia 11 de setembro de 2001. As declarações do diretor da agência, John Brennan, foram dadas em uma coletiva de imprensa dois dias após a divulgação de um relatório nos Estados Unidos que denuncia a CIA por ter usado “técnicas de tortura” durante interrogatórios de membros do grupo extremista Al-Qaeda, que assumiu a responsabilidade pelo atentado.

O diretor da agência de inteligência norte-americana, John Brennan, nesta quinta-feira
AP
O diretor da agência de inteligência norte-americana, John Brennan, nesta quinta-feira

“A CIA navegou em terreno desconhecido, não estávamos preparados. Tínhamos pouca experiência na detenção de prisioneiros e poucos agentes estavam formados para conduzir interrogatórios”, disse John Brennan. Ele também admitiu que as técnicas usadas para interrogar os suspeitos foram ineficazes, “brutais e repugnantes”.

A entrevista de Brennan repercute a divulgação de um relatório pela Comissão sobre Serviços de Informação do Senado dos Estados Unidos , divulgado na terça-feira (9).

Leia mais:
EUA revelam métodos de tortura da CIA após atentados de 11 de Setembro

O documento denuncia a detenção de cerca de cem suspeitos de terem ligações com a Al-Qaeda no âmbito de um programa secreto autorizado pela administração do então presidente George W. Bush.

Veja alguns dos métodos de tortura praticados ao longo da história:

“Em nenhum momento, as técnicas de interrogatório reforçadas da CIA permitiram recolher informações relativas a ameaças iminentes, tais como informações relativas a hipotéticos ataques bombistas, que muitos consideraram que justificavam tais técnicas”, disse a presidente da comissão, a senadora democrata Dianne Feinstein, durante a apresentação de um resumo do relatório.

O documento também acusou a CIA de ter mentido, não só ao público em geral, mas também ao Congresso e à Casa Branca, sobre a eficácia do programa, nomeadamente ao afirmar que as técnicas usadas podiam permitir “salvar vidas”. No entanto, o relatório sublinhou que as técnicas “eram brutais e bem piores do que a CIA havia descrito aos representantes” do Congresso.

Leia também:
Ameaças sexuais e mais métodos da CIA são relatados pelo Senado dos EUA
Ex-diretores da CIA minimizam relatório sobre tortura divulgado pelo Senado
Métodos de interrogatório da CIA foram brutais e ineficazes, diz Senado dos EUA

Em 20 conclusões que criticam a agência, o resumo do relatório da Comissão sobre Serviços de Informação do Senado (atualmente controlado pelos democratas) acusou ainda a CIA de ter submetido 39 detidos a métodos considerados como brutais durante vários anos, alguns dos quais não autorizados pelo governo norte-americano. “A CIA usou essas técnicas de interrogatório várias vezes durante dias e durante semanas”, diz o relatório.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.