Após Nobel, Malala pretende ser primeira-ministra do Paquistão

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Adolescente afirma se inspirar em Benazir Bhutto, duas vezes primeira-ministra do país, mas que acabou morta em 2007

BBC

A estudante e ativista paquistanesa Malala Yousafzai disse à BBC que, depois de receber o Prêmio Nobel da Paz de 2014, ela quer iniciar sua carreira na política.

Láurea: Malala recebe prêmio Nobel da Paz em cerimônia na Noruega

Reuters
Malala e Kailash Satyarthi receberam Prêmio Nobel da Paz em Oslo

Outubro: Adolescente paquistanesa e ativista indiano ganham Nobel da Paz

Malala recebeu o prêmio em uma cerimônia nesta quarta-feira e afirmou que pretende até tentar ser primeira-ministra do Paquistão depois de completar os estudos na Grã-Bretanha.

"Quero servir ao meu país e meu sonho é que meu país se transforme em um país desenvolvido e que cada criança seja educada", disse Malala à BBC em Oslo, antes da cerimônia da entrega do prêmio.

A estudante afirma que sua inspiração vem de Benazir Bhutto, que foi duas vezes primeira-ministra do Paquistão antes de ser assassinada, em 2007.

"Se eu puder servir meu país da melhor maneira através da política e sendo primeira-ministra, então eu definitivamente escolheria isto", afirmou.

A paquistanesa dividiu o Nobel da Paz de 2014 com Kailash Satyarthi, ativista indiano defensor dos direitos das crianças. Aos 17 anos, Malala é a mais jovem a receber o prêmio.

Em 2012, a estudante paquistanesa, que militava pelo direito à educação das meninas paquistanesas, sobreviveu a uma tentativa de assassinato por membros do grupo Talebã.

Honra

A adolescente disse que receber o Prêmio Nobel da Paz nesta quarta-feira ao lado de Kailash Satyarthi era uma grande honra.

"Eu tinha o desejo, desde o começo, de ver crianças indo à escola e comecei esta campanha", disse Malala.

"Este Prêmio (Nobel) da Paz é muito importante para mim e realmente me deu mais esperança, mais coragem e eu me sinto mais forte do que antes, pois vejo que muitas pessoas estão comigo."

"Há mais responsabilidades, mas eu também me impus mais responsabilidades. Sinto que tenho que responder a Deus e a mim mesma e que tenho que ajudar minha comunidade. É meu dever", afirmou.

Malala e Satyarthi vão dividir o prêmio de US$ 1,4 milhão (cerca de R$ 3,6 milhões). Correspondentes afirmam que centenas de pessoas foram às ruas de Oslo para ver os dois ganhadores do Prêmio Nobel da Paz.

O comitê do prêmio afirmou que é importante que uma muçulmana e um hindu, uma paquistanesa e um indiano, tenham se unido para o que o comitê chamou de luta pela educação e contra o extremismo.

Oportunidade

Satyarthi disse à BBC que receber o Prêmio Nobel da Paz era uma "grande oportunidade" para ampliar seu trabalho contra a escravidão infantil.

"É importante para mim mas muito mais importante para milhões daquelas crianças que ainda estão ficando para trás... As crianças que são vendidas como animais, não apenas na Índia", afirmou. O ativista disse que seu trabalho pelos direitos das crianças na Índia é perigoso.

"Você vai ver as cicatrizes em meu corpo, da perna até a cabeça. Fui atacado várias vezes e a última foi em 2011."

De acordo com ele, traficantes de crianças são "muito poderosos", "muito bem relacionados", e acrescentou que dois de seus colegas foram mortos por causa deste trabalho.

Leia tudo sobre: malalapaquistaonobel da pazpremio nobel da pazoslo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas