Medidas de segurança foram reforçadas em áreas diplomáticas e bases militares do país; republicados criticaram a violência

Agência Brasil

O Senado norte-americano divulgou nesta terça-feira (9) relatório sobre os métodos de tortura utilizados pela CIA (a agência de inteligência dos Estados Unidos) depois dos atentados de 11 de Setembro de 2001, motivando críticas entre os republicanos que receiam reações violentas em todo o mundo.

Veja as homangens aos mortos do 11 de Setembro

Cenário: EUA usaram tortura após o 11 de Setembro, afirma relatório apartidário

As medidas de segurança foram reforçadas nas instalações diplomáticas e bases militares norte-americanas antes da publicação do relatório que, no entanto, omite o conteúdo mais sensível.

O trabalho é fruto de uma investigação que durou mais de três anos, entre 2009 e 2012, com o objetivo de revelar detalhes sobre o programa criado em segredo pela CIA para interrogar os detidos suspeitos de ligações com a Al-Qaeda e que incluía simulações de afogamento e privação de sono.

"O presidente acredita que é importante que seja publicado, para que as pessoas dos Estados Unidos e de todo o mundo compreendam exatamente o que se passa", explicou Josh Earnest, porta-voz de Barack Obama, que acabou com o programa quando chegou à Casa Branca em janeiro de 2009.

Presos fazem greve de fome: Obama promete novo impulso para fechar Guantánamo

Reconhecendo que não há "um bom momento" para publicar um documento desse tipo, Josh Earnest disse ser indispensável a sua divulgação para assegurar que os fatos não voltem a ocorrer.

O relatório foi aprovado, em dezembro de 2012, por uma comissão do Senado que, em abril deste ano, votou a favor da divulgação de um resumo de 500 páginas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.