Refém americano morre em tentativa de resgate no Iêmen

Por BBC | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Jornalista mantido refém pelo al Qaeda teria sido baleado pelos sequestradores; a morte foi confirmada pela família

BBC

Um jornalista americano que era mantido refém por militantes da rede extremista al Qaeda no Iêmen morreu durante uma operação de resgate realizada por forças especiais americanas, segundo órgãos de imprensa dos Estados Unidos.

O jornalista Luke Somers teria sido baleado por seus sequestradores durante a tentativa de resgate, segundo disseram autoridades americanas ao jornal New York Times.

AP
Jornalista era mantido refém desde 2013

A irmã da vítima, Lucy Somers, disse à Associated Press que o FBI confirmou a morte.

Somers, que nasceu na Grã-Bretanha, foi sequestrado no Iêmen em 2013 e apareceu recentemente pedindo socorro em um vídeo publicado na internet.

Ao menos nove combatentes da al Qaeda foram mortos em um ataque aéreo supostamente relacionado à ação. Ele teria sido realizado por drones na província de Shabwa, no sul do Iêmen.

Leia também: Braço da Al-Qaeda no Iêmen divulga vídeo onde ameaça suposto refém americano

O Ministério da Defesa local confirmou a realização de uma "operação de grandes proporções" na região.

Tentativa frustrada

Nesta semana, o Pentágono confirmou que uma primeira tentativa de libertar Somers foi realizada no mês passado, mas falhou.

Reprodução/Youtube
No vídeo, o fotojornalista Luke Somers aparece pedindo ajuda para não ser morto pelos terroristas em uma área não divulgada

Somers tem 33 anos e trabalhava como jornalista e fotógrafo para organizações de mídia locais. As reportagens dele também eram veiculadas pela imprensa internacional – incluindo os sites da BBC.

O vídeo divulgado na semana passada em que Somers aparece pedindo socorro mostra também um membro da al Qaeda na Península Árabe – o ramo da rede conhecido como AQAP -, ameaçando matar o refém se pedidos específicos não fossem atendidos.

A AQAP é classificada pelos Estados Unidos como um dos ramos mais perigosos da al Qaeda. O grupo é baseado no leste do Iêmen e se fortaleceu após a que da do presidente Ali Abdullah Saleh em 2011.

Leia tudo sobre: Al Qaedajornalistasequestro

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas