Braço da Al-Qaeda no Iêmen divulga vídeo onde ameaça suposto refém americano

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Na gravação, o homem se identifica como Luke Somers e diz estar em busca de 'qualquer ajuda que me tire desta situação'

Um ramo da Al-Qaeda no Iêmen ameaçou um refém americano sequestrado há mais de um ano, dando a Washington três dias para atender a demandas não especificadas enquanto denunciam as ações dos EUA no país da Península Arábica em um novo vídeo divulgado nesta quinta-feira (4).

Novembro: EI divulga novo vídeo com suposta decapitação de refém americano

Veja no vídeo abaixo:

No vídeo, o homem se identifica como Luke Somers e diz ter sido sequestrado há bem mais do que um ano. Ele afirma estar em busca de "qualquer ajuda que possa me tirar desta situação".

Síria: Com apoio da mãe, garoto de 13 anos treina para se tornar jihadista

A Reuters não pôde confirmar a autenticidade do vídeo, que foi publicado no YouTube e em outras redes sociais na quarta-feira à noite e repercutido pelo SITE, uma organização que monitora comunicações de militantes. O homem no vídeo diz ter nascido na Grã-Bretanha e possuir cidadania norte-americana.

Somers, um jornalista de 33 anos, foi sequestrado na capital do Iêmen, Sanaa, em setembro de 2013, juntando-se a vários outros estrangeiros, incluindo ocidentais mantidos em cativeiro por militantes de grupos armados muçulmanos sunitas no país da Península Arábica.

Setembro: Brasileira é retirada de tribunal belga durante julgamento do filho jihadista

No vídeo, um membro da Al Qaeda na Península Arábica (Aqap), braço iemenita da rede militante, critica a política externo do presidente dos EUA, Barack Obama, que, segundo ele, leva a mortes e "massacres", citando como exemplo os ataque com drones no Iêmen e ataques aéreos contra supostos militantes por todo o mundo muçulmano.

Reprodução/Youtube
No vídeo, o fotojornalista Luke Somers aparece pedindo ajuda para não ser morto pelos terroristas em uma área não divulgada

Terror: Estado Islâmico exibe crimes em sessão de cinema ao ar livre no Iraque

"Alertamos Obama e o governo norte-americano das consequências de seguir adiante com qualquer outra ação estúpida", disse o representante da Aqap identificado como Nasser bin Ali al-Ansi.

"Nós damos ao governo norte-americano um prazo de três dias a partir da divulgação deste comunicado para atender a nossas demandas, sobre as quais tem conhecimento; caso contrário, o refém norte-americano mantido por nós vai encontrar o seu destino inevitável", acrescentou ele, sem especificar as demandas, que, segundo ele, os EUA "conhecem bem".

De acordo com autoridades dos EUA, a Aqap tem financiado suas operações com milhões de dólares em resgates pagos em troca de reféns europeus.

*Com Reuters e AP

Leia tudo sobre: euaiemenal qaedaobamasomers

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas