Viagem de três dias do pontífice acontece após insurgentes de grupo sunita ter capturado territórios perto da fronteira turca

Reuters

O papa Francisco iniciou nesta sexta-feira (28) uma vista à Turquia com a missão delicada de fortalecer os laços com líderes muçulmanos, ao passo que condenará a violência contra cristãos e outros minorias no Oriente Médio.

Dia 24: Papa reúne-se com conselho para discutir reforma na Cúria

Papa Francisco durante reunião com Mehmet Görmez, chefe da Diretoria de Assuntos Religiosos da Turquia (não retratado), em Ancara
Reuters
Papa Francisco durante reunião com Mehmet Görmez, chefe da Diretoria de Assuntos Religiosos da Turquia (não retratado), em Ancara


Dia 16: Papa Francisco alerta para emergência social após violência contra migrantes

Sua viagem de três dias acontece após insurgentes do Estado Islâmico terem capturado partes de território do Iraque e da Síria perto da fronteira da Turquia, declarando um califado islâmico e matando ou expulsando muçulmanos xiitas, cristãos e outros fiéis que não compartilham a crença no Islã sunita radical pregado pelo grupo.

Autoridades disseram que a tolerância religiosa e o combate ao extremismo estariam no topo da agenda do papa em Ancara nesta sexta-feira, quando Francisco se reunirá com o presidente turco, Tayyip Erdogan, e com Mehmet Gormez, principal clérigo do país de maioria muçulmana, mas constitucionalmente secular.

Estudo: Aprovação de papa é alta, mas católicos continuam deixando religião

A Turquia abriga cerca de 2 milhões de refugiados da Síria. Para alguns dos milhares de cristãos entre eles, isso representa o caminho reverso da luta de seus ancestrais há um século, quando a Primeira Guerra Mundial e a chegada do Estado turco pós-otomano tornaram a Turquia uma terra hostil.

Em Istambul, o líder de 1,2 bilhão de católicos romanos no mundo se reunirá com o patriarca Bartolomeu, líder espiritual de cerca de 300 milhões de cristãos ortodoxos no mundo, como parte de um esforço para fortalecer os laços com a ala oriental do cristianismo.

Eles vão emitir pedidos conjuntos sobre direitos humanos e liberdade religiosa, assim como sobre o medo de que o cristianismo esteja desaparecendo do local de suas origens no Oriente Médio, de acordo com o reverendo Dositheos Anagnostopoulos, porta-voz do patriarca.

Francisco disse na terça-feira que, embora seja “quase impossível” ter um diálogo com insurgentes do Estado Islâmico, a porta não deve ser fechada.

A Turquia será a terceira viagem feita por Francisco para uma nação de maioria muçulmana, após Jordânia e Albânia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.