FBI prende dois suspeitos de planejar ataque com explosivos em Ferguson

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Atentado era planejado para o dia do indiciamento do policial branco que matou um adolescente negro desarmado nos EUA

Reuters

Dois homens suspeitos de comprarem explosivos com planos de detoná-los durante protestos em Ferguson, no Estado norte-americano do Missouri, quando um júri iria anunciar o veredicto do caso sobre a morte do jovem Michael Brown, foram presos na sexta-feira, disse uma autoridade da área de segurança pública dos EUA à Reuters.

Polícia detém 47 pessoas em primeira manifestação pacífica em Ferguson

Policiais matam a tiros outro jovem negro no Estado de Missouri, nos EUA

Novas manifestações por morte de jovem deixam dois feridos e 31 presos nos EUA

Reuters
Em 2011, estudo de universidade americana constatou que segregação entre negros e brancos permanece elevada nos Estados Unidos

A notícia sobre a prisão, divulgada por uma série de veículos de comunicação na sexta-feira, surgiu antes da aguardada decisão do júri a respeito do possível indiciamento do policial branco que matou Brown, um adolescente negro desarmado, a tiros em 9 de agosto.

A morte de Brown, de 18 anos, sob circunstâncias controversas, tornou-se um foco de tensão racial nos EUA, provocando protestos, às vezes violentos, na cidade localizada nos arredores de St. Louis, nos quais os manifestantes pediam a prisão do policial Darren Wilson.

Por enquanto, o policial foi colocado em licença administrativa, e a cidade de Ferguson tem se preparado para uma nova onda de protestos, especialmente se o júri decidir não indiciar Wilson. O anúncio do júri pode ocorrer a qualquer momento.

Diante desse cenário de tensão, dois homens descritos como membros de destaque de um grupo militante chamado Novo Partido dos Panteras Negras foram presos na área de St. Louis por uma operação do FBI, de acordo com a fonte da segurança pública.

Os homens são suspeitos de ter comprado explosivos para bombas que planejavam detonar durante protestos em Ferguson, de acordo com a fonte, que falou à Reuters sob condição de anonimato porque não estava autorizada a falar publicamente sobre o caso.

Leia tudo sobre: FergusonEstados Unidosatentadosuspeitos

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas