Até 80 pessoas são mortas por supostos rebeldes de Uganda no Congo

Por Reuters | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Em comunicado, Sociedade Civil de Kivu do Norte declarou que chacina ocorreu perto da Missão da ONU no país africano

Reuters

Supostos rebeldes ugandenses do grupo Forças Aliadas Democráticas-Exército Nacional para a Libertação de Uganda (ADF-NALU, na sigla em inglês) mataram entre 50 e 80 pessoas em ataques perto da cidade de Beni, no leste do Congo, cortando a garganta de muitas de suas vítimas, disseram fontes locais e testemunhas nesta sexta-feira (21).

AP
Foto de arquivo mostra policial patrulhando as violentas ruas do país africano, em 2011

Em um comunicado, a Sociedade Civil de Kivu do Norte, a província onde Beni está situada, declarou que os assassinatos aconteceram na noite de quinta-feira (20) cerca de 10 quilômetros a leste do aeroporto de Beni, onde está baseada a Missão das Nações Unidas (ONU) na República Democrática do Congo, conhecida como Monusco.

“Já vimos 70 corpos. As autoridades estão procurando por outros”, disse um padre que visitou o local do massacre.

Leia também:
Polícia do Congo mata 51 em operação contra gangue, diz Human Rights Watch
Derrotas de rebeldes no Congo levam a otimismo 'com cautela' no país

Os agressores vestiam uniformes do Exército congolês e fingiram ser soldados antes da matança, e degolaram muitas vítimas, afirmou o padre, que não se identificar.

As autoridades da República Democrática do Congo e grupos da sociedade civil atribuíram uma série de ataques recentes no leste do país ao ADF, uma organização sigilosa formada nos anos 1990 para combater o governo de Uganda, embora alguns analistas questionem esta avaliação.

Veja os principais grupos terroristas do mundo:

Boko Haram: radicais islâmicos têm atacado a Nigéria com atentados, assassinatos e sequestros para derrubar o governo e criar Estado islâmico. Foto: APBoko Haram: traduzido, nome que designa o grupo significa 'a educação ocidental é pecado'. Há temores de que estejam ligados a grupos como a Al-Qaeda. Foto: APFrente al-Nusra: a Frente de Suporte para o Povo da Síria, em tradução livre, é uma milícia islâmica criada em 2012 que atua na guerra síria. Foto: Reprodução/YoutubeFrente al-Nusra: a milícia, descrita pelos próprios rebeldes como bem estruturada, luta contra o presidente sírio, Bashar al-Assad. Foto: Wikimedia CommonsEstado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL): grupo jihadista visa a formar emirado islâmico  em territórios no Iraque e na Síria. Foto: APEstado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL): os militantes foram considerados verdadeiras ameaças regionais pelos EUA após tomarem Mosul. Foto: APAl-Shabab: grupo somali tem ligações com a Al-Qaeda e promove ataques contra o Quênia desde 2011 em resposta ao envio de tropas do país à Somália. Foto: APAl-Shabab: grupo, cujo nome significa 'A Juventude', apareceu como ala radical da extinta União das Cortes Islâmicas da Somália em 2006. Foto: ReutersEmirado do Cáucaso: os rebeldes reivindicam a criação de um Estado islâmico independente na região russa que inclui a Chechênia. Foto: Reprodução/YoutubeAl-Qaeda na Península Arábica: braço do grupo terrorista no Iêmen querem, entre outros objetivos, atacar ocidentais e derrubar a família real saudita, aliada dos EUA. Foto: Reprodução/YoutubeTaleban: grupo integra o movimento islâmico nacionalista no Paquistão e Afeganistão e visa a expulsar invasores dos EUA e da Otan. Foto: APAl-Qaeda no Magreb Islâmico: com essa nomenclatura desde 2007, grupo atua na Argélia e em parceria com terroristas de países vizinhos. Ocidentais são alvos. Foto: Reprodução/YoutubeAl-Qaeda: rede criada por Osama bin Laden nos anos 1980 objetiva acabar com a influência ocidental em países muçulmanos. Foto: Reprodução/Youtube
Leia tudo sobre: ugandaforças aliadascongoadfáfrica

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas