Há relatos de feridos após dois homens entraram armados em templo e atirarem; Binyamin Netanyahu afirma que responderá

BBC

O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, afirmou que o país "vai responder com pulso firme ao assassinato brutal de judeus que foram surpreendidos por assassinos condenáveis" enquanto oravam em uma sinagoga.

Cenário: Ameaça de terceira Intifada deixa Estado Islâmico em segundo plano

Voluntários do serviço de emergência israelense carregam corpo de palestino acusado pelo ataque
AFP
Voluntários do serviço de emergência israelense carregam corpo de palestino acusado pelo ataque

Kerry: Israel e palestinos acertam medidas para acalmar tensão em Jerusalém

Pelo menos quatro israelenses foram mortos e oito ficaram feridos quando dois homens armados com facas, machados e revólveres atacaram uma sinagoga em Jerusalém Ocidental.

Os responsáveis pelo ataque, palestinos de Jerusalém Oriental, foram mortos a tiros, segundo a polícia isralense. Após o incidente, o gabinete do primeiro-ministro israelense reagiu pelo Twitter prometendo uma resposta dura.

Ataque: Palestinos matam um e ferem três com facadas, diz polícia de Israel

Em uma declaração, o primeiro-ministro declarou que o episódio é "o resultado direto da (campanha de) incitamento liderada pelo Hamas e por Abu Mazen (como é conhecido o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas)".

"Incitamento que a comunidade internacional está ignorando de forma irresponsável", afirmou Netanyahu.

O partido Fatah, de Abbas, concordou no início deste ano em formar uma coalizão com a facção palestina rival, o Hamas. O Hamas e outro grupo militante palestino, o Jihad Islâmico, elogiaram o ataque.

Dia 7: Série de explosões atinge alvos ligados ao Fatah na Faixa de Gaza

O secretário de Estado americano, John Kerry, afirmou que o ataque na sinagoga foi um ato "de puro terror" e pediu que a liderança palestina condene o ato.

Tiroteio

O ataque ocorreu em uma comunidade predominantemente de judeus ortodoxos, em um seminário no bairro de Har Nof. Os dois responsáveis pelo ataque seriam primos.

"Tentei escapar. O homem com a faca se aproximou. Havia uma mesa e cadeira entre nós... meu xale de oração ficou preso, deixei para trás e escapei", disse um dos israelenses a um canal de televisão local.

O porta-voz da polícia, Micky Rosenfeld, afirmou que o incidente está sendo tratado como um "ataque terrorista". Ele informou que houve tiroteio quando os policiais chegaram ao local e que os responsáveis pelo ataque foram mortos na entrada do edifício.

Fotos postadas na internet por um porta-voz militar israelense mostraram corpos entre mesas e cadeiras e manchas de sangue no chão.

De acordo com Rosenfeld, o local foi isolado e os feridos - seis fiéis e dois policiais - foram levados para hospitais de Jerusalém.

Tensões

O novo ataque ocorre em meio à tensão crescente em Jerusalém, principalmente na área que cerca o complexo do Monte do Templo - chamado pelos muçulmanos de al-Haram al-Sharif.

O complexo é considerado o local mais sagrado para o judaísmo e também é a sede da mesquita de Al-Aqsa, o terceiro lugar mais sagrado para os muçulmanos.

Um ativista judeu de direita, o rabino Yehuda Glick, foi baleado e ficou gravemente ferido no mês passado. Ele fazia campanha para que os judeus voltassem a rezar no Monte do Templo, o que atualmente não é permitido.

Após o ataque, o palestino suspeito de atacar o rabino, Moataz Hejazi, foi baleado ao abrir fogo contra policiais israelenses que cercavam sua casa. Centenas de pessoas participaram do funeral dele.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.