Ministro da Economia alemão se opõe a novas sanções à Rússia

Por Reuters | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Sigmar Gabriel disse que primeira-ministra Angela Merkel está atuando para que o diálogo prevaleça

Reuters

O ministro da Economia alemão, Sigmar Gabriel, disse neste domingo (16) não acreditar que sanções mais rígidas contra a Rússia ajudarão a resolver a crise na Ucrânia, embora a chanceler Angela Merkel tenha dito no sábado que a União Europeia considera novas sanções.

AP
Presidente da Rússia Vladimir Putin fala com a mídia após participar de reunião do G-20

Leia mais: G20 compromete-se em aumentar crescimento global; Rússia fica isolada

Milhares protestam na Geórgia contra governo do país e Rússia

Gabriel, vice-chanceler da Alemanha e líder do partido Social Democrata (SPD) que partilha o poder com os conservadores de Merkel, disse à rede de TV alemã ARD que ele não acredita que as sanções vão fazer o presidente da Rússia Vladimir Putin tomar alguma decisão.

Merkel e Gabriel e os partidos de ambos, que têm uma esmagadora maioria no Parlamento, têm até o momento geralmente concordado sobre sanções, mesmo que a indústria alemã se oponha às mesmas. Ainda não está claro qual será o impacto dos novos comentários fortes de Merkel na reunião do G20 em Brisbane.

Leia mais: Rússia vê chance de acordo em negociações nucleares com o Irã

Austrália tem problemas parecidos com Brasil, mas desempenho econômico melhor

Gabriel disse que apoiou a busca por diálogo com Putin que Merkel e ministro das Relações Exteriores, Frank-Walter Steinmeier, uma figura importante do SPD, têm perseguido.

"É certo que Angela Merkel e Frank-Walter Steinmeier estão se concentrando em diálogo - e não em confronto como outros estão", disse ele.

Os líderes europeus, incluindo Merkel advertiram em uma reunião do G20 no fim de semana em Brisbane, Austrália, sobre a possibilidade de mais sanções, a menos que a Rússia termine o seu apoio a rebeldes separatistas pró-russos. Chanceleres da UE se reunirão na segunda-feira para considerar outras medidas, incluindo sanções adicionais possíveis sobre a Rússia.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas