Mujica, presidente do Uruguai, recusa oferta de US$ 1 milhão por Fusca 1987

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

"Não sei se algum dia o Fusca vai embora. Enquanto eu estiver vivo, ele irá dormir na garagem", disse o mandatário sobre a oferta feita por um xeique árabe

Reuters

Os bilionários do Oriente Médio raramente têm problemas para colocar as mãos nos carrões que desejam, seja um Rolls-Royce caprichado nos detalhes ou um Bugatti personalizado. Mas há um modelo fora do seu alcance: o humilde Fusca do presidente uruguaio, José Mujica.

Mujica revelou recentemente que um xeique árabe ofereceu US$ 1 milhão por seu Fusca azul-claro de 1987, e fotos do veículo inundaram as mídias sociais quando o ex-guerrilheiro de esquerda apareceu nele para votar na eleição presidencial de outubro.

AP Photo
Um xeique árabe e um diplomata ofereceram US$ 1 milhão pelo fusca azul (ano 1987) do presidente uruguaio José Mujica


Mas nesta sexta-feira Mujica decepcionou qualquer pretenso comprador da raridade, que vale US$ 3 mil. "Jamais poderíamos vendê-lo. Ofenderíamos todos os amigos que ajudaram a comprá-lo para nós", disse Mujica a uma rádio local.

Leia também:  Xeique árabe oferece US$ 1 milhão por fusca azul de Mujica

O Fusca se tornou um símbolo do estilo de vida modesto do popular presidente em fim de mandato, que rejeitou se mudar para o palácio presidencial para continuar morando em sua casa de fazenda caindo aos pedaços e que doa boa parte de seu salário aos programas sociais de seu país.

A oferta do xeique aconteceu nos bastidores de uma cúpula em junho na Bolívia. Mujica, conhecido de muitos uruguaios por seu apelido "Pepe", prometeu estudar a proposta.

Leia também:

Aos 10 anos, menino junta moedas, compra o primeiro carro e dá aula de finanças

Meses mais tarde, o embaixador mexicano no Uruguai, Felipe Enríquez Hernández, disse a Mujica que o carro alcançaria o preço de dez picapes em um leilão.

No momento, parece que Mujica não vai mudar de ideia. "Não sei se algum dia o Fusca vai embora", declarou. "Mas o que sei é que, enquanto eu estiver vivo, ele irá dormir na garagem."



Leia tudo sobre: MUNDOURUGUAIMUJICAFUSCA

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas