China e EUA fazem acordo para reduzir emissão de gases poluentes

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

China estabeleceu que metas devem ser atingidas 'por volta de 2030', o que mostra intenção de atingir meta ainda mais cedo

A China e os Estados Unidos, os dois principais emissores de gases causadores do efeito estufa no mundo, definiram nesta quarta-feira (12) em Pequim novas metas com vista à redução das emissões de gás carbônico, informou a Casa Branca.

ONU: China e EUA entram em conflito em discussões sobre clima

Reuters
Presidente dos EUA, Barack Obama, e o presidente chinês, Xi Jinping, bebem apósbrinde em banquete no Grande Salão do Povo, em Pequim


2013: EUA espionam computadores da China, diz americano que vazou documentos

Maior poluidor do mundo, a China estabeleceu que as metas devem ser atingidas totalmente no máximo "por volta de 2030", o que mostra a intenção de "tentar atingir o pico mais cedo" do que isso, anunciou a Casa Branca.

É a primeira vez que a China estabelece data, ainda que aproximada, para que as suas emissões de gás carbônico parem de aumentar.

Por sua vez, os Estados Unidos comprometeram-se a atingir, até 2025, uma redução entre 26% e 28% das suas emissões registradas em 2005.

Cientistas têm alertado para a necessidade de medidas drásticas a fim de combater o aquecimento global. As metas anunciadas hoje antecedem a Conferência do Clima em Paris que, em 2015, deverá aprovar, pela primeira vez, um acordo global ambicioso.

Os presidentes Xi Jinping e Barack Obama se reuniram no Grande Palácio do Povo, em Pequim nesta quarta. Obama chegou a Pequim na segunda-feira (10),em visita de oito dias pela Ásia-Pacífico, que inclui a Birmânia e a Austrália.

Mas quando o assunto foi os protestos em Hong Kong, os líderes de ambos os países divergiram. Em Pequim, Obama disse que os EUA defendem uma eleição livre e justa no território, enquanto Xi afirmou que a questão é um problema interno chinês. Os dois fizeram os comentários durante uma entrevista coletiva após reunião no Grande Salão do Povo.

*Com Agência Brasil e Reuters

Leia tudo sobre: EUAchinaobamajinpingpequimaustralia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas